Domingo, 4 de Outubro de 2009

Quando a lua nascer...

 

 

Chamava-se Felicia e era um espírito das árvores.
Muitas vezes, ao cair da noite, a coberto das sombras, desprendia-se dos troncos ressequidos e vagava pela floresta, tocando as folhas, afagando os arbustos, cumprimentando os pequenos rebentos, beijando as flores caídas e os musgos escondidos.
Quem a visse assim de perto, deslumbrar-se-ia com a beleza etérea dos seus olhos, de um verde esmeralda como os rios, a pele azeitona clara, o cabelo emaranhado de ervas verde e polvilhado de folhas secas.
Naquela noite, Felicia deambulava contudo com um propósito.
 
Com a ponta dos dedos espalhou um pouco de polen acastanhado sobre os olhos, esfregou os lábios com a cor das amoras silvestres, contemplou o seu reflexo nas águas tranquilas do lago, sob a luz das estrelas.
A lua não tardaria em surgir... e a lua era o seu ponto de encontro, a hora certa para o compromisso que não podia mais adiar.
Caminhou ao de leve pelas veredas, as folhas deslocando-se à sua passagem, como se uma brisa invisivel lhe abrisse caminho por entre a densa vegetação, rumo ao seu destino.
Ele pedira-lhe – Vem ter comigo. Estarei no lago, quando a lua nascer, à tua espera...
 
Ela iria.
O espírito do bosque era afável, sonhador, harmonioso no canto. Cantara-lhe ao ouvido poemas de amor e ela deixara que ele a seduzisse, que lhe lavasse os pés nas águas do lago, que lhe penteasse os cabelos com os aromas do bosque.
O bosque do seu principe encantado ocupava toda a outra margem do grande lago; de um lado, a floresta, ainda primitiva, quase virgem – do outro lado, o bosque, já ralo de grandes árvores, pasto de animais selvagens e cobiça dos homens das aldeias vizinhas.
Ele dissera-lhe: O meu fim está próximo, pressinto-o... preciso de te ver, enquanto ainda é tempo...
Ela percebera-lhe a urgência, o soluço de pânico mal disfarçado na voz.
E tranquilizara-o, com um abraço terno – Eu irei... hoje à noite, quando a lua nascer... eu prometo...
 
Correu, sentiu que a lua nasceria dali a pouco.
Ofegante, percorreu os últimos metros com uma ansiedade crescente no peito. Algo não estava bem... e não conseguia perceber o quê. Sentia simplesmente a angústia aumentar, inexorável, À medida que começava a vislumbrar as águas do lago, por entre a vegetação.
Finalmente, molhou os pés.
 
A visão de horror prostrou-a de joelhos, sem forças para um único lamento.
O outro lado do lago, na véspera um frondoso bosque de ervas altas e arbustos viçosos transformara-se subitamente num enorme parque de gigantescas máquinas metálicas e homens em movimento, aos gritos, fogueiras a iluminar a noite... e um sem número de enormes troncos amontoados junto ao rio, prontos a descer até à foz.
 
Esticou a mão para o vazio, à procura...
Nada mais havia para lhe tocar a ponta dos dedos, senão o frio da noite.
Escondeu a cabeça entre os braços e por ali se ficou, chorando em silêncio.
Como é que um dia, um simples dia, poderia ser afinal... tão tarde demais?

 

tags:
publicado por entremares às 09:42
link do post | comentar | favorito
21 comentários:
De libel a 5 de Outubro de 2009 às 00:40
Rolando parte da tua inspiração sai das fotos verdade??..É incrível o cuidado que tens na escolha das fotos, tudo está em sintonia, a foto está divinamente retratada no texto. A vida é uma incógnita, quando a lua nasce...nada é previsível.
O belo verde dos bosques, aquele cheirinho dos pinheiros, os troncos que parecem figuras, os arbustos que nos escondem, os riachos de água fresca, as pedrinhas salteadas, as folhas partidas, os musgos húmidos, as flores perdidas...por mais destruição que sofra, esse espírito vai sempre perdurar na minha alma.

Vai um cházinho Rolando??...De repente senti frio..
Olha, que tal amanhã contares aquele sonho engraçado que tiveste sobre os dois irmãos, o Feliz e o Contente...ainda te lembras não??..

Beijinho...
De entremares a 5 de Outubro de 2009 às 09:32
Oi, Libel....

E se dúvidas eu tivesse acerca da tua perspicácia.... logo aqui se dissipariam...

É... as fotos colocam-me as célulaszinhas cinzentas em ebulição... e o resto, bem... o resto é incontrolável.

Lembro-me bem do sr Feliz e do sr Contente, que saudades... éramos todos bem gaiatos, nesse tempo...

Beijos
Um óptimo fim de semana cooooooomprido para ti.
Rolando

Comentar post

.mais sobre mim

.BlogGincana


.Fevereiro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. O unicórnio branco

. Nascer de novo

. Noites de lua nova

. Perguntas e Respostas

. Roby, o rei leão

. Onde mora o paraíso?

. Sinais

. Um novo destino

. O profeta

. Ele e Ela

. As doze badaladas

. O salto da alma nua

. O rei morreu... Viva o re...

. Blog Gincana - Novembro

. A dúvida humana

.

. João e o Mestre

. Aniversário

. E depois do adeus

. A pimenta do amor

. O que fazer?

. Sem título

. A mulher invisível

. A escolha dos anjos

. Os amantes

. A Dama do Outono

. Um pedido

. Simplesmente Eugénio

. Carmen Miranda

. A decisão

.arquivos

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

.links

.as minhas fotos

blogs SAPO

.subscrever feeds