Sexta-feira, 3 de Julho de 2009

Andrea

 

 

O Olhar. Aquele olhar.
Era impossível passar-lhe ao lado.
 
Há coisas que nos prendem a atenção – a fineza do porte, a elegância dos gestos, a subtileza dos movimentos... a expressividade do olhar. Andrea seria uma dessas raras pessoas cujo olhar perfuraria a rocha mais sólida, sobressaindo da multidão, onde quer que se encontrasse.
Os olhos eram negros, ébano brilhante, como um poço sem fundo. Olhos tristes.
Ou talvez não fossem os olhos tristes... mas tão sómente triste o olhar.
Os lábios carnudos, a pele mestiça e o cabelo curto a emoldurar-lhe o rosto tornavam-na fácil de reconhecer, no meio de todas as outras.
Que idade teria? Pouco mais que adolescente, certamente...
Os pais, emigrantes, procuraram para ela uma terra de oportunidades. Boa aluna, rebelde e inquieta como todas as da sua idade, um jeito muito peculiar de cantar e de dançar, como se a música lhe estivesse embutida no sangue, bebida no leite materno desde a primeira hora.
Os colegas descreviam-na como alegre, extrovertida, faladora, muito faladora. Amiga das suas amigas e pouco dada à bebida – um cigarrito talvez, de vez em quando.
 
Afastou-se um pouco mais.
De longe, a perspectiva era sempre diferente. O rosto adquiria uma personalidade diferente, uma noção de conjunto. Mas o olhar... o olhar sufocava tudo, remetendo todas as restantes fotografias, coladas na parede, para terceiríssimo plano.
O sargento voltou a contemplar todos os rostos, um por um. Todos tinham um nome, escrito à mão na parte inferior, em letra apressada; Raquel, Maria, Luisa, Joana, Fátima... Andrea.
Na parte superior do placard, fixo numa parede interior da pequena esquadra, um rótulo de cores esbatidas relembrava a todos os que por ali passavam:
 
PESSOAS DESAPARECIDAS.
 
O sargento lançou-lhes um último olhar, antes de se dirigir à sua secretaria.
- Andrea, Andrea... onde estás tu? 

 

 

 

 

publicado por entremares às 22:32
link do post | favorito
De Sara a 4 de Julho de 2009 às 00:43
Há olhares que nos cativam, nos prendem... nos marcam! E por mais que o tempo passe e deixemos de ver esse "olhar", sempre que o voltamos a encontrar... (mesmo que passando os olhos apenas por uma foto esquecida...).... o arrepio, as emoções, a saudade.... volta tudo ao de cima, mesmo que involuntariamente.
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

.mais sobre mim

.BlogGincana


.Fevereiro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. O unicórnio branco

. Nascer de novo

. Noites de lua nova

. Perguntas e Respostas

. Roby, o rei leão

. Onde mora o paraíso?

. Sinais

. Um novo destino

. O profeta

. Ele e Ela

. As doze badaladas

. O salto da alma nua

. O rei morreu... Viva o re...

. Blog Gincana - Novembro

. A dúvida humana

.

. João e o Mestre

. Aniversário

. E depois do adeus

. A pimenta do amor

. O que fazer?

. Sem título

. A mulher invisível

. A escolha dos anjos

. Os amantes

. A Dama do Outono

. Um pedido

. Simplesmente Eugénio

. Carmen Miranda

. A decisão

.arquivos

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

.links

.as minhas fotos

blogs SAPO

.subscrever feeds