Sábado, 16 de Maio de 2009

Os cinco objectos

 

Olhou para trás.
Sempre sonhara com aquele instante, sempre antecipara a excitação do regresso a casa, o frenesim da partida, a viagem...
Mas a garganta apertada e aquele nó que lhe prendia a voz traíam-lhe o olhar de aparente felicidade.
- Está pronto ? – Podemos ir ?
O marinheiro de boné branco, ainda a segurar as amarras do pequeno bote, seguia-lhe o olhar trémulo de emoção.
- Estou pronto, sim... estou pronto... balbuciou.
Mas não estava.
Dez anos depois, aquela ilha deixara deixara de ser uma mera ilha, passara a ser a sua casa, o seu lar. Ali envelhecera um pouco, ali adoecera e ali se curara, ali passara dias de fome, dias de sofreguidão, dias de desespero, dias de solidão. Ali vira passar os dias, o rasto branco dos aviões a rasgar o céu azul, alguns navios na ponta do horizonte... e silêncio, principalmente um imenso silêncio a acompanhá-lo durante todo o tempo.
O tempo dos náufragos – ele descobrira isso sózinho – era um tempo diferente, media-se por relógios diferentes dos restantes mortais. Os dias começam com o sol, terminam com o sol, desdobram-se em rotinas comandadas pelos ritmos mais elementares de satisfazer a fome, a sede... e o sono – tudo o resto são extras para um náufrago.
Elias aprendera tudo isso sózinho. Durante dez anos, naquela ilha paradisíaca dos mares do sul.
O pequeno bote soltou as amarras e o marinheiro ligou o motor.
Para trás, cresceu o mar a separá-los da praia, a copa dos coqueiros a tornar-se progressivamente mais pequena, mais escura e indistinta.
Elias não conseguia desviar o olhar.
As mãos crispadas agarravam com força um saco de lona rasgada, onde guardara alguns objectos – poucos – que pretendia conservar.
- E então... o que decidiu trazer consigo ? – perguntou o marinheiro, curioso.
Elias não o ouvia, imerso naquele despedir nostálgico.
- Recordações ? – insistiu o marinheiro, um sorriso alegre a iluminar-lhe o rosto.
- É verdade... recordações...
O marinheiro queria saber mais.
- Conte... diga lá... o que trouxe ? Alguns cocos ?
Elias sentou-se, desviando finalmente o olhar da praia .
- Pouca coisa, amigo... pouca coisa... só alguns objectos que eu mesmo fiz, enquanto ali estive...
E lá abriu o saco, um pouco contrariado, mas a querer retribuir a simpatia do jovem marujo.
- Como vê... pouca coisa... uma concha furada, que foi o meu primeiro colar... metade de um coco, que foi o meu primeiro prato... o meu velho canivete... este bambu, que foi a minha primeira cana de pesca e... este outro, também de bambu... só isto, só estas cinco coisas...
- Estou vendo... estou vendo... e olhe que você tem muito jeito para trabalhar a madeira... esse último pedaço de bambu que me mostrou... parece diferente... para que lhe servia ? Para pescar ? Estou a ver aí uns furos...
Elias olhou para o último objecto e não conseguiu evitar um sorriso.
- Ah... este aqui ? ... Este aqui é ... a minha flauta...
- Uma flauta ? Você sabe tocar flauta ?
Elias, o náufrago, ficou a olhar para o jovem – a inocência da juventude.
- Meu caro amigo – lá respondeu finalmente – quando você fica sózinho numa ilha... por dez anos... eu acho que você até tem tempo para compôr uma sinfonia...

 

publicado por entremares às 20:06
link do post | comentar | favorito
15 comentários:
De Mirian Mondon a 17 de Maio de 2009 às 04:23
Genial! E eu que achei que estava sendo criativa! :)
Texto sensivel , bem estruturado e participação SUPER criativa!

Parabens!

Mirian Mondon
De entremares a 18 de Maio de 2009 às 21:11
Miriam, um milhão de obrigados.

As ideias às vezes surgem assim do nada, obrigado pelo apoio.

Volte sempre.

Comentar post

.mais sobre mim

.BlogGincana


.Fevereiro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. O unicórnio branco

. Nascer de novo

. Noites de lua nova

. Perguntas e Respostas

. Roby, o rei leão

. Onde mora o paraíso?

. Sinais

. Um novo destino

. O profeta

. Ele e Ela

. As doze badaladas

. O salto da alma nua

. O rei morreu... Viva o re...

. Blog Gincana - Novembro

. A dúvida humana

.

. João e o Mestre

. Aniversário

. E depois do adeus

. A pimenta do amor

. O que fazer?

. Sem título

. A mulher invisível

. A escolha dos anjos

. Os amantes

. A Dama do Outono

. Um pedido

. Simplesmente Eugénio

. Carmen Miranda

. A decisão

.arquivos

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

.links

.as minhas fotos

.Google

blogs SAPO

.subscrever feeds