Quarta-feira, 29 de Julho de 2009

A voz do Além

 

- O 21… vai sair o 21…

Aquela voz continuava a martelar-lhe o espírito, podia ouvi-la distintamente. Uma voz masculina, muito calma e serena, daquelas vozes hipnóticas em que é impossível não acreditar.

Olhou para as fichas que tinha na mão. Uma miséria.

Portanto… perdido por cem, perdido por mil… se havia uma voz do Além a aconselhá-lo a jogar… que tinha ele a perder?

Perder mais já era quase impossível.

Colocou uma ficha de 50 sobre a casa 21.

 

Um minuto depois, ainda estava de boca aberta, a tentar compreender o sucedido. Pois então não saíra mesmo o 21, e a sua mísera ficha de 50 não se havia transformado miraculosamente num bom punhado de fichas de 500 ?

- O 34… agora vai sair o 34…

Novamente a voz. A mesma voz hipnótica, talvez já não tão calma, percebia-se até um leve entusiasmo.

Desta vez, ele já nem se preocupou em tentar compreender. Para quê?

Alguém iria acreditar que uma voz do Além lhe estava a segredar os números vencedores da próxima roleta? Se nem ele próprio acreditava…

Com um sorriso nos lábios, empurrou um punhado de fichas para a casa 34.

- 3000 no 34 – quase que gritou, entusiasmado. – Hoje é o meu dia…

Os jogadores ao lado olharam-no pelo canto do olho. Claro, todos os dias aparecia sempre alguém assim, a pensar que era o seu dia…. E depois saíam dali todos de bolsos vazios, com uns copos a mais, a reconhecer que talvez afinal se tivessem enganado no dia, nos sinais…. outro dia seria…

 

Mas aquele dia… era mesmo o dia.

- Sai o 34… único vencedor, o senhor do colete azul, a aposta de 3000 é vencedora…

Gritos de espanto, alegria.

Os curiosos avolumam-se por todos os lados, rodeiam o felizardo.

 

- O 7… a próxima é o 7…

A voz do Além, antes calma e serena, transparecia agora um tudo nada de ansiedade, nervosismo até.

Ele compreendia. Mesmo ele, com os pés na terra, mal conseguia fazer as contas de cabeça, a digerir o chorudo prémio que acabara de receber, quanto mais pensar … não, não conseguia fazer a conta…

 

- Aposto tudo no 7… – gritou, provocando um “Oh” de espanto generalizado.

O funcionário do casino, já por demais habituado a cenas semelhantes, permaneceu impávido, a mesma voz fria do costume.

- Aposta única do cavalheiro de colete azul… 66.750 apostados no 7…. Vai rodar…

 

A bolinha de madeira rodopiou de novo sobre a roleta. Um silêncio angustiante pairava sobre a mesa… à medida que a bolinha perdia velocidade, cada vez mais lenta, aos saltos entre os números…. 18… 7… 24… 7…  até que se deteve.

 

- Sai o 8… - exclamou o funcionário do casino. – Nenhuma aposta vencedora, sai à banca… meus senhores, podem fazer as vossas apostas…

 

Ele ficou a olhar para a roleta, atordoado.

O que estava a acontecer?

Como era possível?

 

- Que droga… pensei mesmo que seria o 7… - falou novamente a voz do Além, dentro da sua cabeça, novamente com o mesmo tom calmo e sereno de sempre.

 

publicado por entremares às 15:58
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
|

.mais sobre mim

.BlogGincana


.Fevereiro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. A voz do Além

.arquivos

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

.Os ouvintes das histórias

online

.links

.as minhas fotos

.Nº de Navegadores

Get a free html hit counter here.

.Google

.Quem navega...

Locations of visitors to this page

.Gazeta dos Blogueiros

Gazeta dos Blogueiros
blogs SAPO

.subscrever feeds