Quarta-feira, 25 de Fevereiro de 2009

No reino de Neptuno

 

 

Vagarosamente, mergulhou.
O mundo, sob a superfíce das águas, continuava tranquilo ... e silencioso.
O silêncio era, aliás, uma característica única no reino de Neptuno; abaixo da superfície, as criaturas regiam-se por um código de silêncios, entrecortado de curtos chamamentos, alguns silvos mas, principalmente... muito silêncio.
Uma anémona estendeu-lhe os tentáculos, ondulantes ao sabor da corrente.
Alguns raios de luz, tremeluzentes, projectavam-se sobre o fundo arenoso, imitando uma dança fantasmagórica de luz e sombra, formando padrões caleidocópicos, irrepetíveis.
Espreguiçou-se, prazenteiro.
A vida é bela – pensou – e eu sou um felizardo...
Um grupo de pequenos peixes coloridos desviou-se, timidamente, procurando refúgio sob as folhas protectoras de uma alga.
Ignorou-os.
Adorava aquela sensação de liberdade, dos espaços vazios, da corrente mansa que ora o puxava, ora o arrastava de encontro aos corais, impávidos e serenos, a contemplar os raios de sol, filtrados pelas águas cristalinas.
Nadar sob a superfície das águas era – sembre o soubera – quase como voar; uma sensação de leveza, de desprendimento, de abandono. De êxtase, até.
Contornou um banco rochoso e ... lá estava ele.
Emergindo das profundezas, como um gigantesco esqueleto, os destroços da velha embarcação de piratas contrastavam com a areia branca, aqui e ali já envoltos por uma manto verde de pequenas trepadeiras e uma minúscula penugem, que brevemente se iria transformar em musgo.
Há quanto tempo ali estaria ?
Sempre o conhecera ali... imóvel e vigilante, a servir de refúgio aos cardumes de peixes tropicais que o haviam adoptado como lar.
Contornou-o, vagarosamente, afugentando os desconfiados ocupantes que, contra-vontade, viam a sua casa invadida pelos olhares furtivos daquele intruso.
Um pequeno peixe azul brilhante surgiu de repente, por entre as vigias da ponte, para logo voltar a desaparecer.
O mastro principal, porventura outrora majestoso, de velas brancas desfraldadas ao vento, jazia agora no convés, partido em dois; até a roda do leme, por um provável capricho do movimento das águas, rodava sózinha, guinchando lúgubre nos eixos enferrujados...
Sempre gostara de visitar aquele local. Transmitia-lhe uma paz acrescida, talvez por lhe soltar a imaginação, ou simplesmente pelos inúmeros recantos que podia explorar... quem sabe até, encontar algum tesouro ...
Ia precisamente entrar por um dos orificios do casco quando a superfície das águas estremeceu.
Olhou para cima, ao mesmo tempo receoso e impaciente.
Pequenas sombras desenhavam-se na superfície, impedindo a luz de se projectar sobre o fundo de areia.
O tempo passara assim tão depressa ?
 
Agitou as barbatana douradas e lançou-se para a superfície. Aquelas sombras só podiam significar uma coisa... comida.
Para trás ficou o pequeno barco de piratas, já revestido de um manto de musgo verde, as conchas, o tubo transparente por onde saíam intermináveis bolhas de ar, mesmo junto da roda do leme.
Voltou a contornar a anémona e o bando de peixinhos coloridos que, como ele, se projectavam sôfregos para a superfície, na busca dos pequenos pedacinhos de alimento que alguém atirava nesse momento para dentro do aquário.
- A vida é bela – voltou a repetir, enquanto abocanhava o primeiro pedacinho de alimento - ... e eu sou um felizardo...

 

tags:
publicado por entremares às 14:50
link do post | comentar | favorito
|
5 comentários:
De Maisa Borges a 25 de Fevereiro de 2009 às 18:02
Muito bom o texto...também gostei do seu blog. vou virar freguesa.

Abraço!
De Isabel Branco a 25 de Fevereiro de 2009 às 22:14
Mar, peixes...
praia, conchas...
elementos a que me associo.
Bonita história.

Um beijinho.
De luna a 25 de Fevereiro de 2009 às 22:39
talvez todos nós devamos estar agradecidos pelo que temos
Bj
De José Kuski a 25 de Fevereiro de 2009 às 23:35
O que é que estás a beber antes de escrever?...
Também quero!
De mjf a 26 de Fevereiro de 2009 às 09:26
Olá!
odos deviamos poder dizer :
-Sou feliz ;=)

Beijocas

Comentar post

.mais sobre mim

.BlogGincana


.Fevereiro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. O unicórnio branco

. Nascer de novo

. Noites de lua nova

. Perguntas e Respostas

. Roby, o rei leão

. Onde mora o paraíso?

. Sinais

. Um novo destino

. O profeta

. Ele e Ela

. As doze badaladas

. O salto da alma nua

. O rei morreu... Viva o re...

. Blog Gincana - Novembro

. A dúvida humana

.

. João e o Mestre

. Aniversário

. E depois do adeus

. A pimenta do amor

. O que fazer?

. Sem título

. A mulher invisível

. A escolha dos anjos

. Os amantes

. A Dama do Outono

. Um pedido

. Simplesmente Eugénio

. Carmen Miranda

. A decisão

.arquivos

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

.Os ouvintes das histórias

online

.links

.as minhas fotos

.Nº de Navegadores

Get a free html hit counter here.

.Google

.Quem navega...

Locations of visitors to this page

.Gazeta dos Blogueiros

Gazeta dos Blogueiros
blogs SAPO

.subscrever feeds