Domingo, 29 de Novembro de 2009

A escolha dos anjos

 

 

Decidiu esquecer.
Decidiu ignorar.
Decidiu só... adormecer.
 
Os sonhos assaltaram-lhe a noite.
Seria o luar?
Cerrou os punhos... não, seria mais forte, seria firme como uma rocha. Adormeceria simplesmente e, quando despertasse…
Fechou os olhos.
 
Os dias do paraíso, do jardim do éden e de todas as almas que já guardara desfilaram-lhe diante dos olhos - muitas, centenas, incontáveis. Porque na verdade, sempre fora essa a razão última da sua existência, da sua missão.
Missão? Sim… missão, sem hora certa de inicio ou de fim, sem tempo para cumprir, sem limite; o fim estaria sempre nas suas mãos, bastava desejá-lo, sabia bem. Tal como sabia que a decisão, quando a tomasse… seria irreversível.
 
Tentou esquecer.
Tentou ignorar.
O sono não veio, as penas brancas das costas agitaram-se ao de leve e ela ergueu-se.
Chegara o momento.
 
Vagarosamente, soltou os laços de seda que seguravam as asas de penas, sabendo de antemão que, no preciso momento em que as soltasse dos dedos, elas desapareceriam e ela, até aí mais uma das inumeráveis anjos da guarda, passaria a ser simplesmente… uma vulgar alma humana, mortal, dolorida e só conseguindo voar nos olhos dos pássaros ou nos sonhos da noite. Sabia disso.
Mas a decisão estava tomada.
Tantas vozes guiara, tantas almas aconselhara que agora sentia - como nunca sentira até aí - que chegara a sua hora.
 
As vestes brancas caíram silenciosamente no chão e ela ficou nua na noite, desprotegida e só. Um último fulgor de luz rodeou-a para logo desaparecer de seguida.
Levou as mãos aos ombros, já sabendo que nada mais iria encontrar, para além da pele fina, muito branca.
Sorriu.
 
Uma estrela cadente rasgou os céus da noite e por um estranho pressentimento, ela sentiu que algures, numa parte incerta, alguém estaria nesse mesmo momento a decidir qual seria a alma - vestida de branco e de asas de penas - destinada a guardá-la até ao final dos seus dias, agora… tão simplesmente … humana.
 

 

publicado por entremares às 12:46
link do post | comentar | favorito
|
20 comentários:
De Paula Raposo a 29 de Novembro de 2009 às 16:48
Quantas evzes nos temos de despir para que o futuro aconteça?!
Beijos.
De entremares a 29 de Novembro de 2009 às 17:39
Paula...

Sim, quantas vezes?
Quantas vezes não temos que trocar o certo pelo incerto?
Trocar a quase perfeição pela realidade, pelo rumo incerto dos nossos próprios passos?

Também sabes o que é isso?

Beijos
Rolando

Comentar post

.mais sobre mim

.BlogGincana


.Fevereiro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. O unicórnio branco

. Nascer de novo

. Noites de lua nova

. Perguntas e Respostas

. Roby, o rei leão

. Onde mora o paraíso?

. Sinais

. Um novo destino

. O profeta

. Ele e Ela

. As doze badaladas

. O salto da alma nua

. O rei morreu... Viva o re...

. Blog Gincana - Novembro

. A dúvida humana

.

. João e o Mestre

. Aniversário

. E depois do adeus

. A pimenta do amor

. O que fazer?

. Sem título

. A mulher invisível

. A escolha dos anjos

. Os amantes

. A Dama do Outono

. Um pedido

. Simplesmente Eugénio

. Carmen Miranda

. A decisão

.arquivos

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

.Os ouvintes das histórias

online

.links

.as minhas fotos

.Nº de Navegadores

Get a free html hit counter here.

.Google

.Quem navega...

Locations of visitors to this page

.Gazeta dos Blogueiros

Gazeta dos Blogueiros
blogs SAPO

.subscrever feeds