Quinta-feira, 19 de Novembro de 2009

Carmen Miranda

 

 

 

Maria do Carmo Miranda da Cunha

 

Lembrava-se dela, sim.

1939, uma noite quente de Dezembro, quase ano novo.

Naquele mesmo local, outrora bem reluzente, atapetado de vermelho, as limusines a desfilar como pirilampos na noite. Os artistas, os famosos, os políticos de então, o governador, a aristocracia das redondezas….  Quem não gostaria de assistir a um dos shows do casino da Urca?

O casino, naqueles tempos já longínquos, reunia todo o glamour do cinema. Não raras vezes, os astros de Hollywood eram vistos nos camarotes, bebericando taças de espumante, numa vida boémia que o antigo bairro da Urca - pejado de aristocratas do Rio de Janeiro - sempre conseguira cativar.

E bem ao lado do casino… a praia, o sempre tentador areal branco.

 

Como o tempo passara rápido, desde aquela noite.

Teria ele talvez… dez, onze anos, não mais. Ajudava o pai na limpeza dos camarins, levava bouquets de rosas às coristas, polia os espelhos. E, naquela noite tão especial… ela iria actuar.

 

Bebeu mais um gole de café. Forte, de travo azedo. Como ele sempre gostara.

Bem no centro da parede do pequeno bar, no fim do areal, o cartaz do espectáculo, já amarelecido pelos anos, continuava a despertar-lhe as memórias, por mais que o tentasse ignorar.

Em grandes letras douradas, ainda se conseguia ler distintamente:

 

" Hoje, espectáculo com a estrela Cármen Miranda…"

 

Sim… lembrava-se dela. E daquele espectáculo, daquela noite.

Roubara uma rosa de um camarim e oferecera-lha. Ela, atarefada nos últimos retoques da maquilhagem, sorriu-lhe, deu-lhe um beijo na testa e desejou-lhe as maiores felicidades. E para seu deleite, cortou o comprido caule da rosa e ajeitou-a no seu toucado, por entre o colorido da fruta. Depois, piscou-lhe o olho.

 

- Vês? Assim saberás que não me esqueci de ti…

 

Setenta anos.

Como o tempo passara depressa.

Sorveu o último gole de café.

Ele também nunca a esquecera.

A sua diva, a sua primeira paixão de adolescente.

publicado por entremares às 21:21
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Sara a 20 de Novembro de 2009 às 10:13
Nao há amor como o 1°... ou esuqeceste tu o teu 1° amor?

Beijinhos, Sara

P.S: Espero agora que passes o dia divertido a cantar "O que é que a baiana tem..." ;)
De MARIA a 20 de Novembro de 2009 às 10:44
Rolando bom dia .

Pode ter a certeza , que Amores e momentos especiais, ficam sempre guardados em nós ...

Tenha um bom fim de semana.


:)) Doce Abraço

Comentar post

.mais sobre mim

.BlogGincana


.Fevereiro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. O unicórnio branco

. Nascer de novo

. Noites de lua nova

. Perguntas e Respostas

. Roby, o rei leão

. Onde mora o paraíso?

. Sinais

. Um novo destino

. O profeta

. Ele e Ela

. As doze badaladas

. O salto da alma nua

. O rei morreu... Viva o re...

. Blog Gincana - Novembro

. A dúvida humana

.

. João e o Mestre

. Aniversário

. E depois do adeus

. A pimenta do amor

. O que fazer?

. Sem título

. A mulher invisível

. A escolha dos anjos

. Os amantes

. A Dama do Outono

. Um pedido

. Simplesmente Eugénio

. Carmen Miranda

. A decisão

.arquivos

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

.Os ouvintes das histórias

online

.links

.as minhas fotos

.Nº de Navegadores

Get a free html hit counter here.

.Google

.Quem navega...

Locations of visitors to this page

.Gazeta dos Blogueiros

Gazeta dos Blogueiros
blogs SAPO

.subscrever feeds