Sexta-feira, 13 de Novembro de 2009

O patinho feio

 

 

O patinho feio – como todos os patinhos feios – sentia nas penas o fardo óbvio da sua condição; era feio.
Feio e desajeitado.
Esforçando-se por não ficar para trás, lá foi nadando atrás dos irmãos, contornando os molhos de vegetação que enxameavam o lago. Bem na frente do cortejo, a mãe soltava sonoros “Quac”, incentivando a prole a não a perderem de vista.
E lá iam eles, os quatro magníficos, penugem brilhante, pescoços altivos, treinando os primeiros grasnidos.
A mãe, orgulhosa, lançava-lhes de vez em quando um olhar de aprovação, que depressa se transformava em lamento, quando reparava no último da fila.
E o último era, invariávelmente... o patinho feio.
Pouco depois, o pelotão dividia-se.
A mãe, nadando com destreza, obrigava-os a um esforço heróico. Os quatro bem-aventurados acompanharam-lhe o ritmo, balouçando enérgicamente o corpo, as patas amarelasnum constante vai-vém sob a superfície das águas.
O patinho feio... bem... esse foi ficando para trás, cada vez mais para trás.
 
Do alto do penhasco, viu-os a aproximar-se. Um, dois, três, quatro... refeição fácil... e bem necessária. As crias esfomeadas, bem atrás de si, clamavam incessantemente por comida, sempre mais e mais comida.
A imponente águia real abriu as asas e projectou-se nos céus, num voo picado sobre o lago.
A surpresa, como sempre, seria a sua arma. Se conseguisse descer em silêncio, talvez até conseguisse capturar com as suas fortes garras não um, mas talvez dois patos pequenos... o que seria uma esplêndida caçada.
Planou, afastou-se um pouco e sobrevoou o lago. Apareceria por trás, rasando as águas, num voo veloz e mortal, sem hipóteses de fuga para as presas desprevenidas.
Colou as asas ao corpo... e mergulhou.
 
O pequeno patinho feio acabara de contornar uma rocha solitária, bem no meio do lago. Foi então que a viu, aquela mancha escura a descer dos céus, em silêncio.
Não sabia o que era, mas o instinto gritou-lhe “ Perigo, perigo” e de imediato abriu as asas e grasnou, o mais alto que pode, tentando alcançar a mãe e os irmãos.
Tal foi o ruido e o esbracejar de penas na água que a mãe acedeu a olhar para trás, na sua direcção.
Viu a águia.
Segundos depois dispersavam, cada qual para seu lado, escondendo-se aflitos na densa vegetação das inúmeras ilhotas do lago.
A águia tocou as águas e voltou a subir Às alturas, a surpresa desfeita e a caçada gorada.
Voltaria, claro; a paciência e a necessidade das crias assim o exigiam.
 
Bem abaixo, à superfície das águas, o cortejo refez-se novamente, salvo pelo alerta do pequeno patinho feio.
A mãe lançou um novo olhar à prole e lá foram eles, nadando em fila indiana, o patinho feio a atrasar-se novamente, incapaz de acompanhar o ritmo da mãe e dos irmãos.
Nenhum olhou para trás, nem o ritmo abrandou.
No mundo dos patos.... as emoções dos que estão a ler esta pequena história não existem.
E mais uma vez, e apesar do grasnar aflito do patinho feio, lá foi ele ficando cada vez mais para trás, mais para trás.... até novamente os perder de vista.

 

publicado por entremares às 14:24
link do post | comentar | favorito
|
15 comentários:
De Paula Raposo a 13 de Novembro de 2009 às 17:10
E no mundo dos humanos passa-se a mesma coisa...
Beijos.
De entremares a 14 de Novembro de 2009 às 09:53
Oi, Paula...

A ideia era, na verdade.... mostrar todos aqueles a quem a palavra "gratidão" anda sempre arreda...

Beijos.
Rolando
De Eduardo a 13 de Novembro de 2009 às 19:42
Rolando,

por este ótimo texto, e conjunto da obra, seu blog foi escolhido para ser homenageado no Blog Viciado, no próximo Domingo, dia 15!

Parabéns!
De entremares a 14 de Novembro de 2009 às 09:56
Amigo Eduardo

Obrigado eu, por ir divulgando a todos os que se visitam mutuamente aquilo que cada um vai construindo, assim de forma anónima, por essa blogosfera fora.

É um vicio? Sim, certamente. Mas fomos construindo fogueiras, fomos reunindo amigos à volta delas... e já não conseguimos viver sem eles.

Um grande abraço
Rolando
De libel a 13 de Novembro de 2009 às 20:25
Ah...pois, mas todos nós sabemos que esse patinho feio foi crescendo e se tornou num lindo cisne, tão grande e tão belo por dentro e por fora...admirado por todos pela sua força de vontade e pela sua coragem.
As aparências iludem, restam-nos as qualidades, essas sim são importantes.

Beijokas Rolando
De entremares a 14 de Novembro de 2009 às 09:57
Oi, Libel...

Bem verdade. E feios somos todos, dependendo de quem nos olha, não é?

E assim nascem os cisnes...

Beijos
Rolando
De Rosinda a 13 de Novembro de 2009 às 21:28
MEU CARO ENTREMARES... OS PATOS NÃO SABEM LER...E QUEM LÊ SENTE EMOÇÃO...
NÃO HÁ PESSOAS FEIAS... SÓ CEREBROS AMODORRADOS...
FIQUE BEM...
De entremares a 14 de Novembro de 2009 às 09:59
Olá, Onix.

É verdade.... tudo se resume a almas mais ou menos cristalinas, mais ou menos luminosas, mais ou menos cativantes.

talvez o segredo seja esse mesmo. Cativar.
Pelos gestos despretensiosos
pelas palavras necessárias
pelo ombro anónimo


Tudo de bom para ti
Rolando
De Jorge Soares a 13 de Novembro de 2009 às 22:00
Está visto que estamos cada vez mais parecidos com os patos.... em breve estaremos a grasnar!

Mas estou de acordo com a Libel, não há pessoas feias, há é quem decida ser mais parecido com os patos!

Abraço Rolando e um excelente fim de semana
Jorge
De entremares a 14 de Novembro de 2009 às 10:01
Ah, Jorge

Olha que por vezes somos mesmos patos... não é?

Grasnamos, andamos à volta, até debicamos as penas para nos embelezarmos...

Por aqui chove.
Um grande abraço
Rolando
De MARIA a 14 de Novembro de 2009 às 09:22
Não goste desta mãe pata...,mas reconheço muitas mães patas e famílias patas por ai infelizmente...

Como sempre amei a história, é complicado mas cada história tem sempre algo que gosto, umas de uma forma ,outras de outra, amo suas histórias Rolando.
Tenha um bom fim de semana.

:))Mágico carinho

PS. Já consegue entrar no meu blog???
De entremares a 14 de Novembro de 2009 às 10:04
Oi, Maria....

Às vezes penso que nós humanos, deveríamos ter conseguido "evitar" todos estes reparos que fazemos aos animais.... mas não. Não conseguimos mesmo evitar todos, pois não?

Temos muitos "pais e mães" patos por aí...
Beijos, Maria
Rolando

( Hoje de manhã ainda não consegui entrar )
De Regina d'Ávila a 14 de Novembro de 2009 às 15:21
Querido Rolando,

Existem as mães patas, como disse a Maria, bem verdade... e existem as mães galinhas....(que aqui chamamos de “mães corujas”)
Lembrei -me de uma história que presenciei na fazenda.
Passeando pelo pomar...Mamãe galinha e seus seis filhotinhos...iam felizes. Sendo que, um dos filhotes, era, na verdade, um lindo patinho, que ela chocou sem saber. Claro que ela o considerava filhotinho também, poderia talvez ser o tal “filhotinho feio” pois não combinava muito como os outros graciosos pintinhos amarelinhos.
E foram chegando perto de um lago. A mamãe galinha ia a frente ciscando e ensinando todos seus segredos de vida. E então viu que seu filhotinho, o mais estranho deles, se dirigia ao lago. Entrou em total desespero...gritava..pulava...certamente chamando por ele. Quanto mais perto ele chegava do lago, mas desesperada ficava a mamãe galinha. Claro que ela sabia que pintinhos nao poderiam nadar, achou certamente que o filhotinho iria se afogar. Bem...este entrou no lago e deslizou suavemente pela água. Feliz...
Mãe e filhotinhos, pintinhos, ficaram alí olhando...observando, e logo depois, voltaram as suas rotinas...de ciscar...bicar...e andar...
Fico até hoje imaginando o desespero desta mãe ...coitada...
É a natureza...assim é a vida..

Lindo fim de semana..
Milhões de beijos(oz),
Regina d’Ávila.

Obs: Ah...já fui visitar seu novo blog “entreartes” e achei lindo...quem sabe um conto..uma poesia em forma de imagens. Espero tudo de ti..hahaha..Sempre nos surpreendendo...
Vi, também, que dia 15 você será homenageado no Blog Viciado, do Eduardo...Merecidamente....Estaremos lá...Parabénssssssss!!!!
De entremares a 14 de Novembro de 2009 às 17:41
Querida Regina...

Sabes que a tua história da fazenda daria um excelente conto? Porque não o escreves?
E tens razão.... as mães corujas, as mães galinhas ( e os pais também ) ficam mesmo aflitos, quando os filhotes ( feios e bonitos, isso existe? ) se acercam da porta de casa.... para espreitar o mundo, não é?

Imagino que saibas bem o que isso é...

Milhões de beijos(oz)
Rolando

( Fico muito feliz que tenhas gostado do Entreartes )
De Rosangela a 20 de Abril de 2010 às 03:16
quac !! yahoooooooooo Ao ler a Linda Historinha do patinho feio,comecei a cantar a musikinha dele,com certeza você vai se recordar,então vamos cantar
((((Oh! Rio me leva emboraaaa.me leva bem longe dakiiii ..me leva bem longe agoraaaaa ..bem longe de onde eu nasciiiiii ))))) lalalalllalalalararararararara yahoooooooooooooooo
Beijos millllllllllllll no sue coração com carinho sempre Rosangela (patinha feia)

Comentar post

.mais sobre mim

.BlogGincana


.Fevereiro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. O unicórnio branco

. Nascer de novo

. Noites de lua nova

. Perguntas e Respostas

. Roby, o rei leão

. Onde mora o paraíso?

. Sinais

. Um novo destino

. O profeta

. Ele e Ela

. As doze badaladas

. O salto da alma nua

. O rei morreu... Viva o re...

. Blog Gincana - Novembro

. A dúvida humana

.

. João e o Mestre

. Aniversário

. E depois do adeus

. A pimenta do amor

. O que fazer?

. Sem título

. A mulher invisível

. A escolha dos anjos

. Os amantes

. A Dama do Outono

. Um pedido

. Simplesmente Eugénio

. Carmen Miranda

. A decisão

.arquivos

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

.Os ouvintes das histórias

online

.links

.as minhas fotos

.Nº de Navegadores

Get a free html hit counter here.

.Google

.Quem navega...

Locations of visitors to this page

.Gazeta dos Blogueiros

Gazeta dos Blogueiros
blogs SAPO

.subscrever feeds