Quinta-feira, 17 de Setembro de 2009

O futuro adiado

 

 

- Não... assim não, nem pensar...
Com um gesto seco, amarrotou sem piedade a folha de papel, ainda húmida de tinta.
- Talvez se tentasse ser... – ainda murmurou.
Bateu nervosamente com a ponta da caneta no tampo de madeira. Onde se refugiara a inspiração, agora que mais precisava dela?
Lançou a bola amassada de papel para junto de todas as outras, caídas em redor do caixote do lixo.
- O começo… o começo é fundamental… é o mais importante… se errar no começo, o que pensarão de mim… não, não pode ser…
Por mais que se esforçasse, as palavras teimavam em não pingar do aparo. Colocou uma música de fundo, abriu a janela, voltou a encher a chávena de chá, ergueu-se e voltou a sentar-se… para nada.
Quantas vezes já tentara começar aquela aventura? Cem, mil? Já lhe perdera a conta. Sabia o que queria escrever, planeara-o até ao mais ínfimo pormenor no seu espírito metódico e organizado. Dividira a história em capítulos, em planos, esboçara até em rascunho os contornos das principais personagens. Nada.
A folha branca, pousada sobre a escrivaninha de madeira, parecia querer dizer-lhe algo.
Indecisão.
Sempre fora o seu grande defeito, a sua mais secreta limitação. Sentia-se fadado para um destino grandioso, mas nunca soubera qual a porta que deveria tentar abrir em primeiro lugar. Queria simplesmente… não errar.
Mas o tempo passara, a indecisão persistira… e agora, já bem perto da velhice, descobrira que afinal… ainda não abrira nenhuma porta, com medo de errar…
Tal como aquela folha branca, e todas as outras folhas brancas dos inúmeros cadernos e blocos de apontamentos que inutilizara, sempre à procura do prefácio ideal, da primeira frase que resumisse a sua obra… a sua obra prima.
 
Afinal de contas… aquela seria a sua autobiografia.
Pensara escrevê-la há mais de vinte anos… e pacientemente, tentara começá-la todos os dias… sem sucesso. Nunca encontrara as palavras certas para se descrever a si próprio e preferira nada escrever… com medo de escrever o errado, com medo de menosprezar o seu futuro grandioso, que continuava a acreditar… se iria realizar um dia.
 
O relógio de parede bateu as doze badaladas, como todos os dias.
E como todos os dias, o escritor adiado levantou-se, na sua rotina costumeira, guardou o bloco de apontamentos na gaveta da escrivaninha, enroscou a caneta de tinta permanente e afastou os cortinados da janela.
A hora da refeição, metodicamente servida ao meio-dia, era sagrada.
- Nada como um espírito disciplinado – pensou, enquanto se dirigia para a porta do escritório – e aliás…sinto que amanhã me deverá chegar a inspiração… ou na pior das hipóteses… depois de amanhã…
publicado por entremares às 16:24
link do post | comentar | favorito
|
19 comentários:
De Paula Raposo a 17 de Setembro de 2009 às 16:59
Eu penso: adiar o futuro com medo de errar não pode ser.
Digo, eu penso, porque é mesmo a minha opinião. Com medo de errar as pessoas deixam de fazer um monte coisas que poderiam até ter feito se não tivessem esse medo absurdo.
Para mim absurdo.
Por isso continuarei sempre a escrever, o que sinto, mas não tenho medo de errar...isso, jamais!
Muito subjectivo.
Beijinhos, gostei de te ler, como sempre (mas isto não é preciso dizer...).
De entremares a 17 de Setembro de 2009 às 20:15
Oi, Paula...

Quando comecei a escrever as primeiras linhas... tinha na cabeça aquela ideia que diz assim: " O bom é inimigo do óptimo". E fiquei pensando que, na verdade, às vezes se adia tudo... à espera de momentos especiais, ao invés de "provocar" esses momentos especiais...

Beijos
Rolando
De Jorge Soares a 17 de Setembro de 2009 às 17:02
Belo retrato de tantas vidas, quantas coisas deixamos de fazer, quantas historias deixamos de contar? Falta de inspiração, falta de valor, falta de tempo... no fim, tudo se traduz em ... falta de vida... falta de coisas que deixamos de construir, de coisas que deixamos de viver... somos assim, afinal, só somos humanos.

Abraço
Jorge
De entremares a 17 de Setembro de 2009 às 20:17
Meu caro Jorge...

Estás cheio de razão."Falta de vida" é a expressão feliz para esta história... apesar do escritor adiado ainda continuar a acreditar num futuro glorioso...

Um abraço.
Rolando
De mfc a 17 de Setembro de 2009 às 17:55
Ohhh... como entendo isso!
De entremares a 17 de Setembro de 2009 às 20:18
Olá Mfc...

Entendes?
Provavelmente todos somos um pedacinho assim... uns mais ... outros menos... adiando.

Um abraço
Rolando
De Existe um Olhar a 17 de Setembro de 2009 às 18:48
Olá Rolando
Lembrei do último post e da frase que lá deixaste.
Tanto medo de arriscar, tantas folhas em branco...tanta coisa adiada.
Amanhã... não será tarde demais?
Espero que nunca deixes nenhuma página em branco e que continues a escrever...pode não ser a história da tua vida, mas certamente será a tua vida cheia de histórias.
Beijos
Manu
De entremares a 17 de Setembro de 2009 às 20:21
Ah, Manu... folhas em branco, pois... sempre haverá algumas, certamente... Lembras-te... quando caminhas pela prais, depois dos outros partirem...nunca conseguirias apanhar todas as pedrinhas que te atraem, pois não?

A vida é tão curta... ou somos só nós que transbordamos de planos ainda por cumprir?

Beijos
Rolando
De João Menéres a 17 de Setembro de 2009 às 19:08
Recebi o recado, Rolando...
O seu escritor adiado é uma metáfora para um certo blogueiro que plana, plana entre mares e não tem pousado...
Hoje, não adiei.

Um abraço com o pedido da sua compreensão.
De entremares a 17 de Setembro de 2009 às 20:23
Amigo João....

Por motivos que hoje não posso explicar ( só amanhã, prometo ) ver aqui o seu comentário fez-me sorrir, pela terrível coincidÊncia que representa.

Amanhã... logo perceberá do que estou a falar...

Um abraço.
Rolando
De João Menéres a 17 de Setembro de 2009 às 22:18
Fico cheio de curiosidade. Mas sei esperar!
De um modo geral, gosto de coincidências, porque costumam ser felizes.
Ao aplicar o "terrível" já me previne que poderá não ser assim...
Mas, fico sereno.


Um abraço.
De GiGi a 17 de Setembro de 2009 às 20:02
Prefiro acreditar que para tudo existe um "momento propício'.

Talvez, ainda não fosse o momento de o nosso escritor elaborar sua auto-biografia!

Beijos
De entremares a 17 de Setembro de 2009 às 20:25
Não sei, GiGi, a sério que não sei....

Descrevi-o quase como um bibliotecário, um homem preso aos seus próprios hábitos, demasiado temeroso para arriscar... e pergunto-me: Enquanto tivermos medo... conseguiremos reconhecer quando nos bater à porta esse " momento propicio" de que falas?

Beijos
Rolando
De André Auke a 17 de Setembro de 2009 às 20:09
LIndo Blog.
Parabéns!

De entremares a 17 de Setembro de 2009 às 20:31
Obrigado André, pela visita.

Só posso dizer que o melhor aqui são todos os amigos que aqui gostam de vir tomar café, sentar e contar histórias uns aos outros.

E como a gente costuma dizer: É sempre bemvindo quem vier por bem...

Fica à vontade e se precisar de alguma coisa, mande um grito. A gente aqui ouve sempre.

Um abraço.
Rolando
De Sofia a 17 de Setembro de 2009 às 21:00
O medo e a indecisão sempre foram um entrave à vida...

Isto ninguém me disse, aprendi eu nos meus 11.375 dias de vida...

Continuação de uma óptima semana
De entremares a 17 de Setembro de 2009 às 21:35
Oi, Sofia...

É verdade o que dizes sobre o medo e a indecisão.
E a propósito, obrigaste-me a ir fazer contas, claro...

Ora bem... 11.375 dias são... deixa lá ver... 31 anos, 2 meses e 4 dias, mais umas horitas... uma vez que nasceste à hora do chá britânico...

Beijos, Sofia.
Rolando

PS. O teu filho está a ficar assim com umas saídas a modo que precoces...
De lis a 18 de Setembro de 2009 às 00:59
Esse texto me faz pensar que tenho alguns sentimentos que nao sei ou nao quero nomear, mas um deles com certeza é a indecisão. E sempre custa caro adiar , fica a sensação de como seria ... mesmo se errasse , como seria?
Boa reflexão , talvez nao reste mais tempo. Escapou.
Obrigada pelas palavras amáveis, nao ha de que , voce merece !
Bjs
De entremares a 18 de Setembro de 2009 às 01:16
Olá, Lis...

Você é indecisa? Nem parece.
Talvez sejamos todos um pouquinho.
Afinal de contas.... não estamos ainda à espera de fazer a nossa "obra-prima" ? Só os pessimistas incuráveis é que talvez acreditem que já fizeram tudo o que de bom podia acontecer...

Beijos
Rolando

Comentar post

.mais sobre mim

.BlogGincana


.Fevereiro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. O unicórnio branco

. Nascer de novo

. Noites de lua nova

. Perguntas e Respostas

. Roby, o rei leão

. Onde mora o paraíso?

. Sinais

. Um novo destino

. O profeta

. Ele e Ela

. As doze badaladas

. O salto da alma nua

. O rei morreu... Viva o re...

. Blog Gincana - Novembro

. A dúvida humana

.

. João e o Mestre

. Aniversário

. E depois do adeus

. A pimenta do amor

. O que fazer?

. Sem título

. A mulher invisível

. A escolha dos anjos

. Os amantes

. A Dama do Outono

. Um pedido

. Simplesmente Eugénio

. Carmen Miranda

. A decisão

.arquivos

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

.Os ouvintes das histórias

online

.links

.as minhas fotos

.Nº de Navegadores

Get a free html hit counter here.

.Google

.Quem navega...

Locations of visitors to this page

.Gazeta dos Blogueiros

Gazeta dos Blogueiros
blogs SAPO

.subscrever feeds