Quinta-feira, 13 de Agosto de 2009

A história de Gil e Deb

 

Esta é a história do Gil e da Deb, duas personagens especiais de um mundo vulgar, numa qualquer pequena aldeia do interior.

O Gil era uma garoto franzino, de cabelo cor-de-cenoura e olhos castanhos, as maçãs do rosto pintalgadas de sardas que lhe davam um ar divertido, não fosse o facto do Gil… nunca se rir. Na verdade o Gil nunca - uma série de coisas banais. O Gil não ria, o Gil não falava, não se penteava, não se vestia, não jogava à bola nem subia às árvores, como todos os rapazes da sua idade.

O Gil era simplesmente… diferente. Autista.

Algures… bem lá no fundo daqueles olhos castanhos, uma chama semi-apagada vegetava tranquilamente ao longo dos dias, semana após semana, nos seus quase nove anos de idade.

O Gil ocupava o seu tempo construindo castelos e torres, utilizando peças de madeira muito semelhantes a Lego; construía, destruía, e em seguida construía novamente.

A Deb era… extrovertida, ruidosa, com uma curiosidade insaciável. Adorava caixas fechadas, jogos de bola, o mar e a praia. Adorava chapinhar na relva molhada do jardim, correr à chuva e por vezes, até mergulhar na piscina.

Não podiam ser, portanto, mais diferentes estas duas personagens especiais de um mundo vulgar, naquela pequena aldeia perdida no interior…

 

- Lídia… que prazer em ver-te… Olá, Deb…

As duas irmãs abraçaram-se, como se não se vissem há muitos anos.

- E o meu Gil? O meu sobrinho preferido… como está ele?

A mãe do Gil encolheu os ombros, naquele jeito que já se habituara a fazer quando alguém da aldeia lhe perguntava pelo filho.

- O Gil… está na mesma… talvez um pouquinho mais magro, mas é do calor, sabes? Anda com pouco apetite…

- Já lhe vou dar um grande beijo… mas conta-me… o teu Manel, como anda? E as tuas aulas de ginástica? Tu não escreves, nem telefonas, não sei nada de ti, és uma irmã desnaturada…

Sentaram-se as duas na sala, entre sacos de compras, a matar saudades.

Lídia, a mais nova das duas, vivia longe, na capital, dividida entre o trabalho no banco e as suas batalhas como activista do Greenpeace.

Sempre que podia, pegava no carro e lá rumava à aldeia natal, matar saudades, reconfortar a irmã, contar anedotas, meter-se na cozinha e experimentar pratos extravagantes. Quando resultavam… hum… que delicia. Quando não resultavam… bem, ao menos sobrava assunto para as conversas de serão, frente à lareira ou nos degraus da porta de entrada.

Deb, entretanto, já desaparecera.

 

Algures a meio de dois goles de chá, um ruído estranho fez-se ouvir, vindo do andar de cima. Fazia lembrar uma gargalhada, ou um grito, ou uma mistura dos dois.

As duas irmãs trocaram um olhar aflito, sobressaltadas.

- O Gil… o que lhe aconteceu?

Correram sala fora, galgando as escadas em direcção ao quarto do pequeno Gil.

Teria caído? Estaria magoado?

Num ápice, alcançaram a porta do quarto. Os gritos - não havia dúvida - provinham dali, mas algo de estranho… de muito estranho mesmo, se deveria estar a passar… pois o Gil não falava, nunca falara… e muito menos gritaria.

Estacaram à porta.

No centro do quarto, rodeado de peças de madeira em completa desordem, o pequeno Gil ria perdidamente, tentando fugir desajeitadamente às lambidelas que Deb, generosamente, lhe ia distribuindo por todo o rosto.

Ele afagava-lhe o pelo macio e comprido, o focinho pontiagudo de raposa. Ela, deliciada, rebolava-se ao seu colo, mordiscava-lhe os colarinhos da camisa, puxava-lhe o cinto das calças.

E o Gil ria, ria, ria…

A Deb - esquecera-me de vos dizer - era uma cadela collie, uma daquelas pequenas "Lassie", brincalhona e ternurenta… a substituta do filho que Lídia nunca conseguira ter…

 

Ficaram as duas ali à porta - boquiabertas - enquanto a Deb, imperturbável, continuava a desafiar a pequena chama da vida escondida do seu novo amiguinho…

 

E foi assim que Gil e Deb, duas personagens especiais de um mundo vulgar, numa pequena aldeia do interior… se conheceram.

 

publicado por entremares às 12:02
link do post | comentar | favorito
|
13 comentários:
De Paula Raposo a 13 de Agosto de 2009 às 13:29
Deixaste-me a chorar....muitos beijos.
De entremares a 13 de Agosto de 2009 às 20:13
Oi, Paula...

O Gil ( todos os Gil que houver por aí ) agradecem-te a ternura...

Um beijo.
Rolando
De neli araujo a 13 de Agosto de 2009 às 13:50
Olá, Rolando!

Sempre uma história emocionante, que nos deixa a pensar na vida...

Ótima para um início de dia.

Um abraço,

neli

De entremares a 13 de Agosto de 2009 às 20:15
Olá, Neli...

Sabes? As histórias, como a do Gil... existem escondidas por aí, à espera de ser contadas...

Beijos.
Rolando
De lis a 13 de Agosto de 2009 às 14:59
... e pensar que o que Gil precisava era de um carinho solto, barulhento e espontâneo!! quantas chamas apagadas por falta de um gesto nosso! ótimo, adorei, além de reflexivo é cheinho de ternura.
abraço-te e volto.
De entremares a 13 de Agosto de 2009 às 20:17
Pois é, Lis...
Parece que às vezes, as melhores soluções podem estar mesmo ao alcance da mão, na ponta dos dedos... ou numa lambidela mais ternurenta, numa mordiscadela mais atrevida...

A ternura às vezes está mesmo ao lado...

Beijos.
Rolando
De DyDa/Flordeliz a 14 de Agosto de 2009 às 02:30
Às vezes basta uma "Deb" ou um "Rolando" para nos fazer despertar.
Beijinho sem lambidela mas com sabor a férias.
De entremares a 14 de Agosto de 2009 às 15:46
Oi, Flordeliz...

Fico muito feliz se a "Deb" puder ir acordando algumas chamas mais apagadas... com ou sem lambidelas.

Um grande beijo
Rolando
De Deusa Celta a 14 de Agosto de 2009 às 02:34
Meu querido Rolando

Muito emocionante esta postagem.
Tenho lido alguma coisa sobre as crianças autistas .
Existem muitas coisas sobre elas, que ainda não sabemos .

parabens , pela escolha do texto

Vai la no meu blog , nas postagens antigas , pesquisei sobre a Deusa Saravasti , que vc me sugeriu
Abraço Apertado

De entremares a 14 de Agosto de 2009 às 15:50
Olá, Deusa

É muito bom vê-la por aqui, passeando pelo jardim do entremares. Estou pesquisando um pouco o assunto do autismo, daí o interesse. E acredito que umas "lambidelas" às vezes... podem ajudar a fazer a diferença.

Beijos.
Rolando

PS. Vou já a correr ver o que você escreveu sobre a Sarasvati...
De mfc a 14 de Agosto de 2009 às 14:21
O Gil é ... um menino lindo.
Obrigado por este lindo post.
De entremares a 14 de Agosto de 2009 às 15:51
Oi, mfc...

O Gil ( e todos aqueles em que me inspirei para escrever isto ) agradecem , e muito.

Um grande beijo.
Rolando
De Patrícia B. a 14 de Agosto de 2009 às 17:07
Histórias de sorrir!
de sorrisos, verdadeiros...

Comentar post

.mais sobre mim

.BlogGincana


.Fevereiro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. O unicórnio branco

. Nascer de novo

. Noites de lua nova

. Perguntas e Respostas

. Roby, o rei leão

. Onde mora o paraíso?

. Sinais

. Um novo destino

. O profeta

. Ele e Ela

. As doze badaladas

. O salto da alma nua

. O rei morreu... Viva o re...

. Blog Gincana - Novembro

. A dúvida humana

.

. João e o Mestre

. Aniversário

. E depois do adeus

. A pimenta do amor

. O que fazer?

. Sem título

. A mulher invisível

. A escolha dos anjos

. Os amantes

. A Dama do Outono

. Um pedido

. Simplesmente Eugénio

. Carmen Miranda

. A decisão

.arquivos

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

.Os ouvintes das histórias

online

.links

.as minhas fotos

.Nº de Navegadores

Get a free html hit counter here.

.Google

.Quem navega...

Locations of visitors to this page

.Gazeta dos Blogueiros

Gazeta dos Blogueiros
blogs SAPO

.subscrever feeds