Sábado, 11 de Julho de 2009

É proibido adivinhar o futuro...

 

- É meia noite… e está tudo bem, com a graça do Senhor…
 
A noite estava fria. Uma neblina franzina, empurrada do rio, galgara o porto e espalhara-se pelas ruas desfocando os contornos e criando auréolas esbranquiçadas em torno dos candeeiros. As sombras, húmidas, escorregavam pelas paredes de pedra, abafando os passos nas calçadas de pedra.
A cidade dormia.
Não fora a presença do guarda nocturno, de lanterna em punho… e dir-se-ia que o silêncio era total; até os estivadores das docas, habituais fregueses tardios dos bares e tabernas da zona ribeirinha, haviam partido para parte incerta… deixando as ruas desertas.
O guarda Marcelino, primeiro cabo da guarda, nunca se conseguira habituar à cidade.
Lisboa, por muito que lhe dissessem o contrário, era suja, tresandava a peixe e albergava os piores facínoras do reino – ladrões, agiotas, mercenários das colónias, assassinos.
Mas em tempos de crise…
Enquanto caminhava ao longo da praça, veio-lhe à memória a imagem da sua aldeia natal, perdida entre os pinhais e as dunas, lá bem para o norte, junto da foz do Mondego.
- Ah, o campo, nada como o campo… - deu consigo a murmurar.
Mas o campo e a província ficaram longe, tal como a família.
- Se tudo correr bem… são só três anos – prometera ele – faço uma comissão e depois venho-me embora…
A mulher esperaria por ele. A mulher e as crianças, as quatro pequeninas e a que já vinha a caminho… se Deus quisesse, havia de ser um rapaz… depois de quatro raparigas, tinha que ser um rapaz…
E os três anos haviam passado.
 
Aquela ronda... seria a penúltima ronda. A sua comissão terminaria no dia dois de dezembro, e se os santos o permitissem, ainda chegaria a casa antes do natal.
Contornou o pelourinho e dirigiu-se à mouraria.
Algumas vozes e o passar de uma carroça trouxeram-no de novo à realidade.
 
- É uma da manhã... e está tudo bem, com a graça do Senhor...
 
Um pouco à frente, alguém despejava um balde de água para a rua; desviou-se a tempo, pragejando.
- Ó da casa... arre que vem gente a passar....
Ninguém lhe ligou.
Continuou, ladeira acima, os lampiões da fachada do castelo a assomar por entre as sombras da noite. Ajeitou melhor o agasalho.
O frio... aquele frio húmido que ia direito aos ossos, como detestava aquele frio. Mas o inverno ia ser chuvoso, diziam os entendidos.
O ano da graça de 1755 não fora de feição para a terra. O verão viera tardio, as searas mal espigaram, o trigo escasseava nos mercados. Os varões sadios e escorreitos alistavam-se no exército, que el-rei pagava mal mas alimentava as bocas e provia tecto a toda a gente.
Um leve tremor agitou-lhe os passos, desequilibrando-o.
- Ora essa... – estranhou – quem me visse diria que nem me tenho nas pernas...
Não teve tempo para novo pensamento. Um rumor grave e surdo foi aumentando de volume, como se as entranhas da terra gemessem uma dor infernal. Voltou a sentir o chão o tremer com violência, ao mesmo tempo que algumas pedras se desprendiam das paredes e tombavam sobre a calçada.
O que era aquilo, por Deus?
Aqui e ali, gritos irromperam. Num instante, a rua encheu-se de gente, candeias acesas, as mães fugindo de cas com os filhos nos braços.
Após uns segundos de intervalo, a terra tremeu novamente.
Caiu por terra.
- Por todos os santos... fugi, fugi todos... – passou alguém a correr – fugi que é um terramoto...
O guarda Marcelino ainda tentou levantar-se. Mas a torre da igreja, com um rugudo de dor, precipitava-se já sobre ele, desfazendo tudo à sua passagem.
Corria o dia um de dezembro do ano da graça de 1755, em Lisboa.
Penúltima ronda do guarda Marcelino, primeiro cabo.
 
 

 

publicado por entremares às 00:55
link do post | comentar | favorito
|
16 comentários:
De Sara a 11 de Julho de 2009 às 07:53
acabei de ler e estou completamente arrepiada! Tenho por hábito quando leio deixar-me envolver no enredo da história, encarnar as personagens, parece até que estou a viver o momento com elas...

Hoje voltei a fazer o mesmo... e tinha a sensação que acompanhava o guarda Marcelino na sua ronda, que lhe ouvia os passos e sentia a humidade do ar. O final da história veio de encontro ás expectativas que fiz a partir do momento em que li o título! E é mesmo assim, mesmo na vida real... por vezes sonhamos demais acordados e os planos acabam desmoronados tal e qual como um baralho de cartas... quando o sopramos delicadamente.

Desejo-te um óptimo Fim-de-semana!
Um Beijo :)
De entremares a 11 de Julho de 2009 às 09:25
Obrigado, Sara...
Estás cheia de razão. Por vezes, planeamos a vida nos mínimos detalhes e esquecemos que ...

É proibido adivinhar o futuro.

Beijos. Um fim de semana descansado.
De Anad a 11 de Julho de 2009 às 11:25
Obrigada pelas suas palavras no meu blogue. O seu texto é muito bom. Fiquei surpreendida com o seu blogue e vou voltar mais vezes. m bom fim de semana.
Um abraço
Anad
De entremares a 11 de Julho de 2009 às 11:58
Obrigado Anad, pela simpatia.
Será sempre bemvinda.

Bom fim de semana.
De GiGi a 11 de Julho de 2009 às 15:04
Poxa... Fiquei triste! Tanto se esperou, e... Mas, enfim, acontece!!

Recentemente, ao estudar História, soube de tal terremoto, mas só uma citação, não houve maiores detalhes.

Acho legal transformar em narrativas fatos históricos. Dá-nos maior aproximação do que aconteceu e merece certa importância.

Beijos!
De entremares a 11 de Julho de 2009 às 16:43
Gigi... creio que, como habitualmente, a História não se compadece com os pequenos pormenores. E no meio das grandes tragédia... quantos cabos Marcelino não existirão?

Beijos.
Bom fim de semana.
De Existe um Olhar a 11 de Julho de 2009 às 13:39
Muitas crianças me ouviram falar do terramoto de 1755. Se o tivesse de fazer hoje, certamente falaria da "estória" do cabo Marcelino.
Fiquei encantada com a narrativa!
Como sempre, quando leio as suas histórias sou transportada para o meio delas e vivo-as como se lhes pertencesse.
Não quero tornar-me repetitiva, mas é-me impossível não dizer de novo...adorei!
Bom fim de semana
Beijo
Manu
De Sofia a 11 de Julho de 2009 às 15:50
Misteriosos são os designios da natureza...

Bom fim de semana.
De entremares a 11 de Julho de 2009 às 16:45
Olá Sofia...
Misteriosos ... e imprevisíveis. Para nos fazer lembrar quem controla o quê, neste pequeno planeta azul...

Bom fim de semana.
De Milu a 11 de Julho de 2009 às 16:26
Gostei bastante desta história, que considero especialmente bem escrita. É assim que resultam as coisas quando gostamos de as fazer! Belas!
Um bom fim-de-semana.
De Marcia Barbieri a 11 de Julho de 2009 às 18:05
Adorei o seu conto histórico, me senti em 1775,quase pude conversar com o cabo Marcelino....

beijos
De Anónimo a 11 de Julho de 2009 às 21:57
Textos como esse nos fazem pensar como a vida é urgente! e como cada dia é precioso! Fenomenos da natureza ou acidentes de grande proporção me comovem muito, haja visto o que ocorreu com o aviao que caiu no oceano atlantico com 228 marcelinos a bordo. Quantos planos interrompidos...
Seu blog é de extremo bom gosto.Se me perimite ,vou ficar... rsrs
Abraços
De Lisette a 11 de Julho de 2009 às 22:01
... desculpe , mas o anonimo tem nome rs , sou amadora e novata ,é mico toda hora. Vamos testar agora., se deu certo
Mil perdoes.
De Pena a 11 de Julho de 2009 às 23:51
Oh, Linda Amiga:
Mantém o leitor sempre atento e interessado na sua extraordinária e brilhante narrativa perfeita.
Plena de "suspense" e que "mexe" com o interior das pessoas.
Fascinante. Fabuloso. Lindo.
Escreve primorosamente numa fluidez de água cristalina repleta de pureza e encanto.
Excelente.
Segui-la-ei na sua continuação com atenção, ou o terramoto acabou de vez com o sonho e a delicia de a ler...?
Com respeito, estima e consideração, toda aminha admiração perante a sua significação imensa.
Beijinhos amigos

pena

Bem-Haja pelo génio e talento que "moram" em si.
É linda...sabia?
Foi uma honra a sua vista fantástica.
MUITO OBRIGADO!
De Pena a 12 de Julho de 2009 às 10:33
Admirável Amigo:
Desculpe. Tudo o que disse ponha no masculino.
Um erro irreparável a que peço desculpa.
Abraço perante a sua genialidade e talento.
DESCULPE!

pena

Bem-Haja, AMIGO GIGANTE!

Comentar post

.mais sobre mim

.BlogGincana


.Fevereiro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. O unicórnio branco

. Nascer de novo

. Noites de lua nova

. Perguntas e Respostas

. Roby, o rei leão

. Onde mora o paraíso?

. Sinais

. Um novo destino

. O profeta

. Ele e Ela

. As doze badaladas

. O salto da alma nua

. O rei morreu... Viva o re...

. Blog Gincana - Novembro

. A dúvida humana

.

. João e o Mestre

. Aniversário

. E depois do adeus

. A pimenta do amor

. O que fazer?

. Sem título

. A mulher invisível

. A escolha dos anjos

. Os amantes

. A Dama do Outono

. Um pedido

. Simplesmente Eugénio

. Carmen Miranda

. A decisão

.arquivos

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

.Os ouvintes das histórias

online

.links

.as minhas fotos

.Nº de Navegadores

Get a free html hit counter here.

.Google

.Quem navega...

Locations of visitors to this page

.Gazeta dos Blogueiros

Gazeta dos Blogueiros
blogs SAPO

.subscrever feeds