Terça-feira, 7 de Julho de 2009

A verdadeira história de Peter Pan

 

 

Pequenina, de asas graciosas e quase transparentes como todas as fadas, a amiguinha de Sininho era muito fácil de reconhecer, esvoaçando sobre os campos de flores.
Seria o seu vestido, amarelo como os girassóis?
Seriam os sapatinhos de verniz, a imitar as conchas do mar?
Ou o seu tom de pele mais escuro, tão diferente de todas as outras fadas?
 
Chamava-se Nyota… e nascera muito longe dali, num continente quente e povoado de grandes florestas, lagos e desertos, e animais tão estranhos que ela não voltara a encontrar iguais, em mais parte alguma.
Nem na terra do Nunca.
E aquele dia, na terra do Nunca, ia ser um dia... muito especial; Peter Pan, o eterno menino vestido de verde, como príncipe dos bosques e senhor das terras do arco-iris... ia anunciar o seu noivado.
Ninguém ignorava que Sininho sempre fora a fada de Peter Pan – a história descrevera-a assim, eternamente apaixonada pelo irrequieto menino que se recusava a crescer. Mas o que não estava escrito na história.. e que quase ninguém sabia... era o amor escondido que Peter Pan e Nyota nutriam um pelo outro, desde que se haviam visto pela primeira vez, numa tarde de verão.
Nyota era divertida, uma óptima contadora de histórias... e sempre que podiam, desapareciam os dois rumo ao alto dos bosques. E ali, no silêncio dos pássaros e no murmúrio dos ventos... Nyota contava-lhe histórias de uma terra distante, em que os meninos rodeavam dançavam à volta de fogueiras, caçavam animais de cores bizarras e saltavam de árvore em árvore, pendurados dos ramos.
Peter Pan bebia-lhe o olhar, cheio de imagens, imaginando-se a ele próprio naquela terra estranha e longínqua, onde todos os meninos tinham uma cor de pele tão diferente da sua... e que Nyota descrevia como sendo tão bela como a terra do Nunca.
 
- Mas não há nenhuma terra mais bela que a terra do Nunca... – protestava Peter Pan, sempre que ela lhe tocava no assunto. – não pode haver...
- Mas é claro que há... e prometo-te que um dia... ainda te levarei lá...
 
E assim ela ali permanecia, inebriada por um simples olhar, enquanto ele adormecia, à sombra dos plátanos, sonhando com oásis de palmeiras no meio de desertos, tempestades de areia e longas pradarias de ervas altas e manadas de animais estranhos, a perder de vista...
 
Quando Peter Pan entrou na sala, as fadas interromperam a ladainha de sussuros. No silêncio frio do mármore, o único ruido provinha das botas de Peter, dirigindo-se ligeiro até a um dos extremos do grande salão. Sem cerimónia, saltou para cima de uma das mesas, distribuindo aquele seu olhar atrevido em redor.
Discretamente, Sininho aproximou-se também do local – queria estar bem ao seu lado, mal ele pronunciasse o seu nome.
 
- Meus amigos... como todos sabeis... está escrito que Peter Pan irá escolher uma fada da terra do Nunca... para juntos ajudarmos a cuidar de todos os habitantes ...
 
Fez uma longa pausa, enquanto dirigia o olhar para Sininho, ali bem perto de si.
 
- ... E todos vós já me conheceis há tanto tempo... e conheceis tão bem como eu a história da terra do Nunca, não é verdade? – e esticou o braço em direcção a Sininho - ... queres vir aqui fazer-me companhia... Sininho?
 
Palmas, muitas palmas, ainda mais suspiros.
No outro extremo do salão, um lamento passou quase despercebido.
Nyota, as mãos a tapar os olhos, saiu de mansinho para o jardim.
Peter Pan, do alto da mesa que lhe servira de tribuna, conseguia vê-la.
 
- Sininho... dás-me só um segundo, por favor? tenho só que ir ali falar com uma pessoa... é só um segundo...
A fada Sininho fez-lhe uma vénia irónica, com um sorriso de felicidade.
- Claro que sim, meu príncipe... claro que sim... mas não te demores...
 
Peter Pan apressou o passo, distribuindo sorrisos, beijos e abraços. Precisava de alcançar a porta do jardim.
 
- Nyota! Nyota!
Correu para ela.
- Nyota... espera, por favor...
Ela abriu a porta exterior do jardim. Quando se voltou, uma lágrima brilhante deslizava-lhe pelo rosto.
- O que queres, Peter?
- Nyota... meu amor... por favor, tens que compreender... estava escrito...
- Eu não sou o teu amor, Peter...
- Mas, Nyota... estava escrito... eu tenho que escolher a Sininho...
- Julguei que me amavas, Peter...
- E amo, Nyota, mais que tudo... mas que mais podia eu fazer? Está escrito ... na minha história... que eu tenho que escolher a Sininho... não posso evitá-lo...
Nyota olhou-o nos olhos e lá no fundo sentiu-se de novo a criança desprotegida, ansiando por um abraço, por uma palavra meiga.
 
- Eu também te adoro, Peter Pan... e isso não está escrito em nenhuma história, sabes? E se tu gostasses realmente de mim...
- Nyota, mas eu não posso...
- Peter... sabes porque não podes ?
- ...
- Não podes porque... até aqui não consegues deixar de ser ... uma criança...
- Nyota...
- Não, Peter... eu sei de tudo o que me vais dizer, mas... hoje e aqui... eu precisava que tu crescesses... nem que fosse só um pouquinho... que tivesses desafiado a história que escreveram para ti ... e me escolhesses...
 
Abriu o portão e seguiu em frente, o vestido amarelo como os girassóis a brilhar na noite escura. Desejava ardentemente que ele a chamasse.
Bastaria que a chamasse uma única vez... e ela voltaria a correr para os seus braços.
 
Mas sabia perfeitamente que tal nunca iria acontecer...

 

publicado por entremares às 08:18
link do post | comentar | favorito
|
55 comentários:
De Sueli a 8 de Julho de 2009 às 05:19
Vim agradecer seu comentário, um dos mais lindos que já recebi. Cheguei aqui e me perdi em seus contos. Ainda não deu para ler todos, mas voltarei para continuar. Volte sempre em meu espaço, também. Um grande abraço!
De entremares a 8 de Julho de 2009 às 09:00
Obrigado Sueli, por toda a simpatia...
As nossas duas "colecções de escritos a que chamamos blogs " tem uma coisa em comum...

Eu acho.

Tentam transmitir a ideia de que VALE SEMPRE A PENA.

Beijos.
De miriam a 8 de Julho de 2009 às 17:27
Oi
Obrigada por visitar meu blog
Que lindo seu comentario...
Ainda mais vindo de alem mar!
Mandei antes o que me occoreu ao ler sobre o Peter Pen.
Recebeu?
Senão, me avise.
Beijos
Miriam
De entremares a 8 de Julho de 2009 às 21:38
Oi Miriam... não recebi nada... o que mandou?

Beijos.
De miriam a 8 de Julho de 2009 às 23:52
Ora pois!
Aqui vai então
Quando lia, pensei no Michael Jackson e sua Neverland ...assim daria solução a fadinha desconsolada, não seria?
Adoro fadas, borboletas...
beijocas e venha sempre.
Miriam
De entremares a 9 de Julho de 2009 às 00:11
Oh, Miriam... todos temos a nossa " Neverland" não é verdade?

Com fadas e borboletas.

Beijos. mantenha contacto.
De GiGi a 8 de Julho de 2009 às 23:56
Que interessante! Faz-nos refletir sobre a nossa vida, sobre a história que nós mesmos nos traçamos.

Eu achei tão fofo o seu comentário! Adorei, de verdade, muito obrigada!! E não ficou longo, não!

Não sei de onde veio a inspiração, a qual surgiu espontaneamente hoje de manhã. Acho que é devido a um livro de História do Brasil que tenho lido a fim de fazer uma prova. Automaticamente, a ler os blogs mencionados, o post apareceu... Meio doido, eheheh.

Ainda quero aprender escrever crônicas.

Mais uma vez, obrigada :-) . Apareça sempre que puder!

Beijinhos!
De entremares a 9 de Julho de 2009 às 00:12
Vou aparecer, prometo. Gostei do modo como escreve, é bem sincero. E fico feliz que tenha apreciado "aquele" ponto de vista sobre o Brasil...

Beijos.
De xana a 8 de Julho de 2009 às 23:58
Por vezes a fantasia pode confundir-se com a realidade, ou é a realidade que se pode confundir com a fantasia? Uma história tem sempre um fundo de verdade, para quem a lê... daí que há quem se identifique com as fantasias desta vida, ou é desta história?
De entremares a 9 de Julho de 2009 às 00:16
Oi, Xana... sinceramente, também não sei. Sempre ouvi dizer que por vezes, a realidade consegue ser mais estranha que a ficção... como aquelas coisas em câmara lenta, que nos passam defronte dos olhos...
De tatyane Diniz a 26 de Julho de 2009 às 16:16
Ah! Adoro muitos contos infantis!!!
Gostei do que li e quero repetir mais vezes!!!
Escrever nossas histórias sempre é complicada né!
Mas nosso caminhos podem ser diferentes basta seguir a voz da gente que vem do coração!
beijos
taty
De LUIS CARLOS FACURI a 6 de Agosto de 2009 às 23:03
Em nossa psique, haverá sempre um eterno peter pan...que feliz ser um eterno "puer"...
De Lizandra a 5 de Setembro de 2010 às 03:28
Eu fiquei encantada com essa história :')
De Raiane a 10 de Novembro de 2010 às 15:09
é muito bom saber a verdadeira história de peter, um garoto genial, que nunca, nunca, jamais desistiu de seus sonhos!
De Anónimo a 13 de Novembro de 2010 às 22:12
Viver implica crescer,sair dos lugares seguros,o peter pan ,nao arrisca ,é um medroso e pode ser um cobarde
De nicole a 12 de Julho de 2011 às 22:50
eu gostei da história mas então pq na nova história peter-pan se apaixona pela wendy e nao pela nyota?

Comentar post

.mais sobre mim

.BlogGincana


.Fevereiro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. O unicórnio branco

. Nascer de novo

. Noites de lua nova

. Perguntas e Respostas

. Roby, o rei leão

. Onde mora o paraíso?

. Sinais

. Um novo destino

. O profeta

. Ele e Ela

. As doze badaladas

. O salto da alma nua

. O rei morreu... Viva o re...

. Blog Gincana - Novembro

. A dúvida humana

.

. João e o Mestre

. Aniversário

. E depois do adeus

. A pimenta do amor

. O que fazer?

. Sem título

. A mulher invisível

. A escolha dos anjos

. Os amantes

. A Dama do Outono

. Um pedido

. Simplesmente Eugénio

. Carmen Miranda

. A decisão

.arquivos

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

.Os ouvintes das histórias

online

.links

.as minhas fotos

.Nº de Navegadores

Get a free html hit counter here.

.Google

.Quem navega...

Locations of visitors to this page

.Gazeta dos Blogueiros

Gazeta dos Blogueiros
blogs SAPO

.subscrever feeds