Quinta-feira, 11 de Junho de 2009

Com imaginação...

 

Talvez um pouco mais de... azul.
Sim, definitivamente. E carregar um pouco mais no verde, também.
 
Afastou-se um pouco, para ver melhor.
Um jorro de água cristalina ocupava todo o centro do quadro, precipitando-se da pequena cascata e desdobrando-se em múltiplos fios de espuma branca. O verde, aquele imenso verde dos trópicos, enchia todo o espaço circundante, rodeando a água, emoldurando a cascata. Aqui e ali, algumas copas de palmeiras emprestavam um pouco de amarelo à vegetação, numa composição garrida, plena de cor e movimento.
Reflectindo o céu, a água misturava o branco e os vários tons de azul, adivinhando uma atmosfera quente, húmida, pejada dos cantos dos pássaros e zumbidos dos insectos. Seria África, talvez. Ou na Amazónia.
Sorriu, feliz com a sua obra.
A escolha do título ficaria para depois.
Naquele momento, queria simplesmente saborear a tristeza.
 
Terminar um quadro era - sempre sentira isso, vá lá saber-se porquê – perder um pouco de si próprio. Estavam ali, impregnados na tela, muitos dias da sua vida, durante os quais respirara toda a sua imaginação, combinara cores, vislumbrara um cenário inexistente e... do nada, de uma tela branca e informe.... dera-lhe vida, fazendo nascer um mundo de cor. Terminar um quadro era assumir que a sua criação, como um filho, ganhara vida própria, independência. A ele, nada mais restava que limpar os pincéis e afastar-se, deixando a sua obra respirar por si própria, livre dos afectos do seu criador.
 
- Está muito bonito...
Ele não a sentira aproximar-se.
- Ainda bem que gostaste... sinto que já estive naquele local, junto daquela cascata...
Ela encostou-se a ele e assim ficaram em silêncio, a ver a água jorrar da cascata, emoldurada pelo verde-amarelo das palmeiras.
- Onde viste esta paisagem ? – quis ela saber.
- Não sei... creio que nunca a vi, realmente... mas sonhei muitas vezes com ela...
 
Ela abriu um pouco as madeiras e um jorro de luz quente inundou o pequeno estúdio.
- Está muito calor, lá fora? – perguntou ele.
- Está sim... a tempestade de areia teima em não terminar... já lá vão dois dias e ainda nem sinais de acalmar...  
 
Lá fora, a areia do deserto fustigava impiedosamente as paredes exteriores da casa. Naquela altura do ano, era normal; os ventos do norte galgavam as escarpas e empurravam as areias do deserto, tapando tudo à sua passagem com um manto branco. Na pequena aldeia de Fashira, bem junto da fronteira da Líbia, os habitantes já estavam habituados a conviver com o pesadelo das tempestades de areia. No ano anterior, algures em Junho, uma tempestade forçara-os a permanecer dentro das suas casas por três semanas, isolados do mundo exterior.
A vida no deserto era assim, dura, implacável, com regras próprias.
 
Pegou na tela branca e colocou-a sobre o cavalete.
Fechou os olhos. Onde gostaria agora de estar ?
 
Com mão firme, atacou a superfície branca.
Uma montanha longínqua, com os cumes cobertos de neve, ia começar a nascer, na ponta dos seus dedos...

 

publicado por entremares às 12:42
link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De carla sofia a 11 de Junho de 2009 às 14:34
A arte é viagem. Através da arte, o artista doa-se, manifesta-se, expôe-se, marca presença, muda de personagem, transpõe limites, mergulha dentro de si mesmo, confronta os seus medos, vivencia novas sensações, etc.
Quando é que é publicado um livro?
beijinhos
De entremares a 11 de Junho de 2009 às 15:20
Olá Carla...
Obrigado pela companhia assídua. Escreveste algo que já pensei muitas vezes, mas que nunca escrevi.

" A arte é viagem"

É verdade. As palavras transformam-nos, mudam-nos, e de repente, somos outros... noutros lugares.

Obrigado por continuares a vir aqui.
De julieta barbosa a 11 de Junho de 2009 às 15:08
Que a sua mão firme continue a nos brindar com textos tão lindos...
De entremares a 11 de Junho de 2009 às 15:22
Obrigado, Julieta, por toda a simpatia...
As palavras às vezes são assim, teimosas, ganham vida própria...

E nós temos que as deixar partir...

Comentar post

.mais sobre mim

.BlogGincana


.Fevereiro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. O unicórnio branco

. Nascer de novo

. Noites de lua nova

. Perguntas e Respostas

. Roby, o rei leão

. Onde mora o paraíso?

. Sinais

. Um novo destino

. O profeta

. Ele e Ela

. As doze badaladas

. O salto da alma nua

. O rei morreu... Viva o re...

. Blog Gincana - Novembro

. A dúvida humana

.

. João e o Mestre

. Aniversário

. E depois do adeus

. A pimenta do amor

. O que fazer?

. Sem título

. A mulher invisível

. A escolha dos anjos

. Os amantes

. A Dama do Outono

. Um pedido

. Simplesmente Eugénio

. Carmen Miranda

. A decisão

.arquivos

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

.Os ouvintes das histórias

online

.links

.as minhas fotos

.Nº de Navegadores

Get a free html hit counter here.

.Google

.Quem navega...

Locations of visitors to this page

.Gazeta dos Blogueiros

Gazeta dos Blogueiros
blogs SAPO

.subscrever feeds