Terça-feira, 2 de Junho de 2009

Homem de barro

 

- Mimi… não te vais esconder outra vez no quarto, pois não ?
É claro que ia.
Estranhamente, a pequena Mimi – que nunca fora aquele tipo de criança introvertida e solitária – estava diferente. Apesar dos seus oito anos, dúzias de amigos, festas de aniversário e três irmãs mais velhas que a mimavam até ao limite… decidira, sem motivo aparente, refugiar-se no seu quarto, onde cada vez passava mais tempo.
A principio, ninguém ligou.
Quando, num belo sábado de manhã, Mimi apareceu na cozinha com os braços todos sujos de barro, o nariz esborratado e os calções brancos com 3 grandes manchas castanhas… a mãe percebeu finalmente que algo de diferente estava a acontecer.
- Mimi… estás horrível. O que tens andado a fazer… para ficar nesse estado?
A pequena limitou-se a lavar os braços e dedicou-lhe um sorriso condescente.
- Ainda não te posso contar, mãe… é segredo…
- Segredo ? O que andas tu a magicar ? Não estás a pensar ir outra vez investigar o meu armário dos sapatos, pois não ? Já conversámos sobre isso…
- Não, mãe… a sério, é só um segredo pequenino, não tem mal nenhum…
E fugiu a correr, de volta ao quarto.
A mãe não ficou lá muito convencida. Mas o apitar da panela de pressão depressa a fez esquecer o sucedido; era melhor juntar as carnes… ou então o cozido à portuguesa só ficaria despachado à hora do lanche…
 
Mais uma semana passou.
Por duas ocasiões, a pequena Mimi apareceu em casa com novos carregamentos de barro – a mãe questionava-se seriamente em imaginar o quarto transformado em estaleiro de obras, para já não falar do estado em que se deveria encontrar o soalho… - não, era melhor nem pensar nisso.
- Mimi… anda almoçar… o almoço está na mesa…
Ela desceu prontamente.
Aquelas sobrancelhas enrugadas dispensavam maiores explicações.
- Então, Mimi… vais fazer-nos alguma surpresa, é isso ?
A filha olhou para o prato, depois para a mãe.
- Não estou a conseguir… - desabafou, amargurada.
A mãe passou-lhe a mão pelos cabelos.
- Oh, Mimi… eu sei que nos disseste que era segredo… mas se precisares de ajuda… eu ajudo-te. Estás a fazer algum trabalho para a escola, é isso ? Com o barro ?
- Não posso contar… a Sónia não ia gostar…
- A Sónia ? Quem é a Sónia, querida ?
- A Sónia da catequese…
- Ah, essa Sónia… então o trabalho é para ela ? Não te preocupes, eu sei que tu vais conseguir…
 
Pouco devia faltar para as quatro da tarde.
A sala de estar permanecia na penumbra, as madeiras das janelas fechadas a evitar o sol de Maio. Filipa, a mãe da pequena Mimi dormitava sobre o sofá, depois de arrumar a cozinha e colocar toda a loiça na máquina – uma mesa para uma família de seis… era muita loiça.
Sentia-se exausta.
Na televisão sem som, as imagens da novela sucediam-se, mas Filipa nem lhes prestava atenção – ser mãe, trabalhadora doméstica e enfermeira por turnos era, como dizer ? Arrasador.
Um estrondo no andar de cima trouxe-a subitamente de volta à realidade.
- Mimi ? – gritou, em sobressalto – Mimi, estás bem ?
A Mimi não respondeu.
Com aquela energia que surge quando menos se espera, galgou os degraus que a separavam do corredor do primeiro andar, onde se localizavam os quartos.
- Mimi – voltou a gritar.
Irrompeu pelo quarto, afogueada.
Não reparou na sujidade, nos cortinados das janelas manchados de dedadas de barro, na mancha escura no canto esquerdo do soalho, não viu nada.
Os seus olhos procuraram simplesmente a pequena Mimi, que aparentemente incólume, permanecia de pé, imóvel no centro do quarto, rodeada de cacos e pedaços partidos de barro seco.
- Mimi… estás bem? O que aconteceu ?
Agarrou-se a ela, ainda tremendo de ansiedade.
- É mentira… é tudo mentira…
- O que é mentira, meu amor ?
A pequena Mimi apontou para o chão.
Sobressaindo dos restantes cacos, um grande pedaço de barro, com aquilo que aparentava ser a parte superior de um corpo humano, jazia tombado no chão, bem junto dos pés da pequenita.
- Ele … - e continuava a apontar para a metade da estátua que fizera com tanto cuidado, agora despedaçada no chão – ele é que é uma mentira… é tudo mentira…
- Não percebo, Mimi… tens que me explicar… o que é mentira ? Foste tu que conseguiste fazer sozinha esta estátua, é isso ?
A Mimi continuava a contemplar a sua obra destruída.
- A Sónia explicou-nos… - lá foi ela dizendo – lá na catequese… e eu percebi tudo, a sério que percebi…. Que ele se chamava Adão, ela era a Eva, eu até já tinha batizado o meu boneco… ia chamar-lhe Mário…
- Qual boneco, meu amor ? A tua estátua ? Não percebo…
A pequena Mimi nem a ouvia.
- … e ela disse-nos que depois Ele tinha soprado o barro… e a estátua tinha ficado viva… e eu soprei, eu soprei, eu fiz muitas estátuas, oh mãe… eu soprei em todas… mas não consegui… eu não tenho força para soprar muito, só sei soprar devagarinho…
A mãe reparou então em todos os outros pedaços de barro, abandonados pelos cantos do quarto; braços, troncos, pernas, metades de corpos de barro… todos sem vida, informes e imóveis…
A pequena Mimi continuava com o olhar perdido algures, à procura de uma explicação que não chegava.
 
- Sabes Mimi… não é assim tão simples…
- Oh, mãe… - e agarrou-se-lhe ao pescoço, a soluçar – então explica-me como é, por favor… por favor…

 

publicado por entremares às 13:42
link do post | comentar | favorito
|
11 comentários:
De DyDa/Flordeliz a 2 de Junho de 2009 às 14:36
Vou por partes:
1- És homem (mãe nunca deixaria o quarto sem ser investigado ahahahah)
2- Esquecemos que criança entende o que é simples - soprar é apenas e só soprar!
Que delicia. Adorei, cada caquinho espalhado pela tua escrita.
A tarde vai ser de sorriso. OBRIGADA!
De entremares a 2 de Junho de 2009 às 17:45
Ora bolas... isto de ser homem... ( bem observado, o pormenor do quarto ).

Mas tens razão... a vida é simples, não é ?

Beijos.
De Jorge Soares a 2 de Junho de 2009 às 15:23
Lindo....... fantástico, não consegui parar de ler... e com um sorriso nos lábios

Obrigado!

Jorge
De entremares a 2 de Junho de 2009 às 17:47
Obrigado Jorge.

Há dias em que aquilo que escrevo também me poe um sorriso nos lábios.
Reconheço que hoje é um desses dias...

Um abraço.
De Iris Barroso a 3 de Junho de 2009 às 16:09
Sei que já venho tarde e alguém já o referiu, mas mulher alguma, por mais loiça e trabalho que tivesse, deixaria de ver o quarto de uma filha, sobretudo de oito anos.. há que limpar o pó, fazer a cama, mudar lençóis.. mas avancemos.

O texto está lindo, a história encantadora e não parei de ler.

Beijo,
Obrigada pelos teus contos!
De Iris Barroso a 3 de Junho de 2009 às 16:11
Já par não falar do controlo do sono e o aconchegar à noite... Mas pequenos nadas no meio de muito.
De entremares a 3 de Junho de 2009 às 18:22
Eu sei, eu sei... a minha pequenina tem 8 anos e sou eu que a vou pôr na cama... sempre.

Mas que eles ( e elas ) têm daquelas saídas que não esperamos, lá isso têm...
E deixam-nos a pensar...

Beijos.
De Iris Barroso a 3 de Junho de 2009 às 22:09
Nós as mulheres e os pormenores...

Mas é verdade, por mais que controlemos, há sempre surpresas, sempre...
De julieta barbosa a 4 de Junho de 2009 às 00:52
Vim agradecer-te o comentário no meu blog. Já o li duas vezes. Tens a alma nas mãos... Obrigada! E parabéns, por mais um belo texto .
De Óscarito a 4 de Junho de 2009 às 18:55
No percurso, alguém se esqueceu de explicar à Mimi o que é Deus. E que só ele é possuidor do tal sopro!
Não que eu acredite em tal, mas é o que consta!
Abraço!
De mveyqe a 9 de Setembro de 2011 às 01:58
Vl5TrM <a href=\"http://yrpaqsmkoiaa.com/\">yrpaqsmkoiaa</a>, [url=http://ggdcqqjcnokw.com/]ggdcqqjcnokw[/url], [link=http://fssfrxkxeocu.com/]fssfrxkxeocu[/link], http://elurarrcjdut.com/

Comentar post

.mais sobre mim

.BlogGincana


.Fevereiro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. O unicórnio branco

. Nascer de novo

. Noites de lua nova

. Perguntas e Respostas

. Roby, o rei leão

. Onde mora o paraíso?

. Sinais

. Um novo destino

. O profeta

. Ele e Ela

. As doze badaladas

. O salto da alma nua

. O rei morreu... Viva o re...

. Blog Gincana - Novembro

. A dúvida humana

.

. João e o Mestre

. Aniversário

. E depois do adeus

. A pimenta do amor

. O que fazer?

. Sem título

. A mulher invisível

. A escolha dos anjos

. Os amantes

. A Dama do Outono

. Um pedido

. Simplesmente Eugénio

. Carmen Miranda

. A decisão

.arquivos

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

.Os ouvintes das histórias

online

.links

.as minhas fotos

.Nº de Navegadores

Get a free html hit counter here.

.Google

.Quem navega...

Locations of visitors to this page

.Gazeta dos Blogueiros

Gazeta dos Blogueiros
blogs SAPO

.subscrever feeds