Segunda-feira, 25 de Maio de 2009

Antes e depois...

 

Aproximou-se um pouco mais do espelho.
Por vezes, a imagem reflectida não correspondia ao que lhe ia na alma. A culpa não seria do espelho, certamente... mas talvez só da disposição, do grau de alegria ou tristeza que conseguia reconhecer no olhar.
“Tens uns olhos lindos”, dizia-lhe o marido, amiúde
Eram penetrantes, de um castanho escuro que ela sabia realçar como ninguém, sem abusar de todos os truques de maquilhagem à sua disposição.
Ou talves fosse simplesmente da juventude – beleza simples e descontraída – que irradiava à sua volta, em casa, no trabalho, na rua, nos transportes públicos...
Eva correspondia aquele perfil de mulher que “está bem com a vida”. Na flor da idade, um emprego estável numa reputada empresa financeira, uma familia tradicional da provincia, um casamento por amor, sem problemas económicos, ainda sem filhos. O marido, arquitecto de profissão, conhecera-o numa festa de passagem de ano, quatro anos antes. Fora amor à primeira vista.
Um namoro rápido, um casamento rápido, todos reconheciam que aqueles dois tinham sido feitos um para o outro.
É claro que ninguém é perfeito. Ela atacava os chocolates às escondidas e fumava cada vez mais, apesar de já ter tentado parar por diversas vezes. Ele comia demasiado à noite, ressonava um tudo mais alto que o suportável e de vez em quando era possuido por ataques de ciumes parvos, alimentados pelo facto de ela só ter colegas de trabalho do sexo masculino.
Mas a vida era bela... e os quatro anos de casamento voaram num ápice, sem sobressaltos de maior. Eva foi promovida, trocou de escritório, ascendeu à direcção. Ele, o Paulo, conseguiu um contracto fabuloso para o desenho de um bairro elegante em Madrid.
Apesar de todos os afazeres, as férias continuavam a ser gozadas a dois. No algarve, em Cabo Verde, na República Dominicana.
Claro que nas últimas férias, precisamente as gozadas nas caraíbas... ocorrera aquela pequena peripécia... mas pronto, eram águas passadas. Ele pedira-lhe logo desculpas pela bofetada, bebera um pouco mais que a conta... e até lhe comprara no dia seguinte aquele anel de diamantes que deslumbrava em todas as festas.
Mas a vida continuou.
Os pais do Paulo, filho único, viam nela a sua “princesinha”, como eles gostavam de frisar – a princesa encantada que conquistara o coração do seu filho. Mimavam-na, visitavam-na com regularidade… e cada vez com mais regularidade também lá iam indagando pelo herdeiro, que claro que mais dia menos dia gostariam muito de ter um netinho, e que sempre estariam disponíveis, etc, etc, etc. Eva sorria, com o mesmo sorriso que devolvia à mãe, quando ela lhe fazia a mesma pergunta.
No Natal anterior, deram um salto até à Serra da Estrela – muita neve, um chalé só para eles, lareira na sala, velas sobre a mesa. Um fim de semana memorável, não fosse mais um daqueles pequenos “incidentes” com o mau feitio do Paulo, sempre que os ciúmes assomavam à flor da pele. E como de costume, sempre infundados, que Eva só tinha olhos para ele.
O agente de viagens, solicito, ainda lhes tentou vender o pacote de fim de ano. Talvez tenha sido até um pouco mais simpático para Eva do que deveria. Ou não. Paulo achou que sim, que Eva escusava de sorrir tanto para o funcionário gentil. Mal se viram sozinhos no quarto a conversa azedou e Eva experimentou, pela segunda vez na vida, a fúria insensata do marido.
Felizmente tudo se resolveu. Ela sabia, melhor que ninguém, como o acalmar.
Aproximou-se um pouco mais do espelho.
Era raro pegar no estojo de maquilhagem mas… naquele dia, iria abrir uma excepção.
Talvez colocar uma base… ou carregar mais na pintura dos olhos.
Acendeu a luz, bem por cima do espelho.

 

 

Não… pensando bem… talvez a maquilhagem não fosse suficiente…

 

publicado por entremares às 10:28
link do post | comentar | favorito
|
12 comentários:
De Jorge Soares a 25 de Maio de 2009 às 11:58
Quantas vidas destas há por aí?, quantas mulheres sofrem em silêncio?

Este é mais um tema tabu, mas um tema em que tantos olham para o outro lado para não verem.

Fantástico texto, parabéns pela escrita e por chamar a atenção para o tema
Abraço
Jorge
De entremares a 25 de Maio de 2009 às 12:20
Obrigado Jorge, todos os esforços não são demais.
Mas ainda há muito por fazer.

Há muita gente ainda "maquilhada" pelas ruas, em silêncio.

De Sofia a 25 de Maio de 2009 às 13:57
Olá

Compreendo o comentário deixado..
O que eu não compreendo é como é que alguns seres humanos chegam a esse ponto e por mais que tente vestir a pele de um e de outro, continuo sem conseguir perceber...

Uma óptima semana também para ti.
De entremares a 25 de Maio de 2009 às 14:24
É verdade... mas o coração pelos vistos continua a ter razões que a razão desconhece...

Para já não falar do medo...
De DyDa/Flordeliz a 25 de Maio de 2009 às 17:10
E há ainda as formas em que se bate sem deixar marcas. Onde nenhuma maquilhagem é capaz de esbater ou curar a dor.
Excelente escrita.

De entremares a 25 de Maio de 2009 às 18:03
Essas são as marcas mais profundas...e talvez as mais continuadas, aquelas que se vãp prolongando no tempo...
De Saia-Justa a 25 de Maio de 2009 às 17:33
A violência doméstica é um problema grave, gravíssimo e, até certo ponto, escondido da sociedade mais grande ainda porque existe um “tabu “ uma vergonha que faz as vitimas esconderem de forma silenciosa e dissimula. E existe muitas vezes por parte do agressor o descaramento de acusar a vítima de ser responsável pela agressão.

Pouca auto estima, dependência emocional ou material, “amor”.Os motivos podem ser vários e todos ignóbeis. Penso eu de que..

“Felizmente tudo se resolveu. Ela sabia, melhor que ninguém, como o acalmar.”
O problema começa quando se acredita que o pode “acalmar” e se desculpa..

O agressor promete…. mais vai repetir este tipo de comportamento e aparecem sempre as desculpas..

Num tempo em que as (causas) não tão valorizadas, já era altura de esta sociedade hipócrita houve-se um apelo forte para uma justiça mais justa condenações severas para os agressores para que se trave a violência doméstica que é um cancro em qualquer sociedade.

Parabéns pelo belo post ,parabéns mesmo, a forma com foi passado está excelente
De entremares a 25 de Maio de 2009 às 18:07
É verdade... e é um iceberg do qual só percebemos um canto da superfície...

Em pleno século XXI, ainda nem todos são humanos...
De Saia-Justa a 25 de Maio de 2009 às 17:36
Relevando as gafes está o essencial que queria dizer..
De Najla a 26 de Maio de 2009 às 13:59
Costumo dizer que quem faz a 1.ª, faz a 2.ª. E quem bate uma vez, tenderá a fazer mais. A violencia doméstica, seja ela física ou psicoloógica, seja ela da parte do homem ou da mulher, continua dentro da esfera tabu e vergonha. Entendo que cada dia mais, os casais tornam-se menos tolerantes, mas para questões de menor dimensão! Para casos destes, ainda se esconde, ainda se tem medo.

Excelente texto (não me canso de escrever!)
Beijos
De entremares a 26 de Maio de 2009 às 16:21
Obrigado pelo apoio.

Cada um à sua maneira, cabe-nos ir despertando consciências, combater a intolerância e ... a ignorância.

O amor não é: " Quanto mais me bates, mais eu gosto de ti"

Não é... nem nunca foi.

Beijos
De Elsie a 17 de Julho de 2009 às 20:17
Muito obrigado pelo comment.

Infelizmente ainda há muitas mulheres que são vítimas de violência doméstica em silêncio, as vezes por medo, outras por ignorância sobre o que fazer, enfim...

O seu post está muito interessante.

Abraço!

Comentar post

.mais sobre mim

.BlogGincana


.Fevereiro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. O unicórnio branco

. Nascer de novo

. Noites de lua nova

. Perguntas e Respostas

. Roby, o rei leão

. Onde mora o paraíso?

. Sinais

. Um novo destino

. O profeta

. Ele e Ela

. As doze badaladas

. O salto da alma nua

. O rei morreu... Viva o re...

. Blog Gincana - Novembro

. A dúvida humana

.

. João e o Mestre

. Aniversário

. E depois do adeus

. A pimenta do amor

. O que fazer?

. Sem título

. A mulher invisível

. A escolha dos anjos

. Os amantes

. A Dama do Outono

. Um pedido

. Simplesmente Eugénio

. Carmen Miranda

. A decisão

.arquivos

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

.Os ouvintes das histórias

online

.links

.as minhas fotos

.Nº de Navegadores

Get a free html hit counter here.

.Google

.Quem navega...

Locations of visitors to this page

.Gazeta dos Blogueiros

Gazeta dos Blogueiros
blogs SAPO

.subscrever feeds