Sexta-feira, 15 de Maio de 2009

O guarda Tulipa

 

O guarda Tulipa era, sem a menor dúvida, uma daquelas personagens que ficava na memória.
Bonacheirão, espremido dentro da farta apertada de policia, enorme e desajeitado, com olhos de criança e um sorriso que cativava até a mais empedernida das pedras.
Só o próprio nome já era “ meio caminho andado “ naquele conquistar imediato de corações que o guarda Tulipa conseguia, como que por magia, efectuar... sem magia, sem varinha mágica...
O guarda Tulipa, lá bem do alto do seu quase um metro e noventa, e um peso vergonhoso para se dizer em voz alta... era o encarregado de vigiar a entrada da escola primária do Pessegueiro, também conhecida pela escola nº 4 da Belavista, em Setúbal. Nada de especial, portanto.
E, no entanto, tudo de especial.
Toda a gente conhecia o guarda Tulipa; ou porque um dia alguém precisou de transporte para casa e o guarda Tulipa estava lá, a substituir o autocarro que avariou...ou porque a D. Eugénia ( que nunca mais se reformava, apesar de parecer mais velha que as múmias ) só a ele confiava as chaves do seu velho Volvo, que o guarda Tulipa conseguia arrumar impecávelmente num espaço tão pequeno que ninguém se atrevia a ali tentar estacionar... ou mais que não fosse, porque o guarda Tulipa conhecia todos os alunos pelo nome próprio, sabia onde moravam, conhecia-lhes os pais... e até já levara alguns para a esquadra, confiscando-lhes os cigarros semi desfeitos nos bolsos e os canivetes de gente adulta que eles gostavam de exibir no pátio da escola.
Portanto, quando um dia o guarda Tulipa não apareceu à hora do costume, para orientar o trânsito junto à entrada do portão, todos perceberam que algo de estranho sucedera. O guarda Tulipa nunca se atrasava.
Ao final da manhã... já a noticia se espalhara. O guarda Tulipa estava nos cuidados intensivos do hospital, a tentar vencer uma batalha desigual contra dois ataques cardíacos quase consecutivos, fruto de muitos e bons anos de peso a mais, gordura a mais... e exercício a menos.
 
A porta vai-vem do corredor do hospital deu de si e com um encontrão, um enfermeiro foi encostado à parede.
- Vocês não podem entrar aqui – ainda tentou protestar.
Ninguém lhe ligou.
A gang dos Gatos, como eles gostavam de se auto-intitular, não aceitava um não como resposta.
Ao todo, não passavam de meia dúzia de adolescentes, o mais velho talvez ainda com dezasseis ou dezassete anos, o mais novo pouco devia passar dos quinze. As roupas e o visual, copiado dos filmes de Hollywood, mais faziam lembrar os “motards” dos anos setenta que os novos gangs das ruas do século vinte e um. Não fosse pelos piercings e os blusões de capuz...
O grupo avançou ostensivamente pelo corredor, lançando miradas de desdém aos funcionários que, tacticamente, se encostaram à parede. No canto oposto, alguém se apercebeu da insólita situação e saiu a correr, a chamar a segurança do hospital.
- Em que quarto ?
- Vinte e três.
O provável líder do grupo, aquele que fizera a pergunta, ia espreitando as diversas enfermarias e quartos, até se deter diante no número pretendido. Deu um passo para confirmar que o número correspondia, espreitou ... e acenou com a cabeça.
- É aqui. – e acenando para a porta – vocês já sabem o que têm que fazer...
Os outros, aparentemente, sabiam. Colocaram-se junto da porta, barrando a passagem, e o líder do grupo avançou sozinho para o interior do quarto.
Ao fundo, soou, um pouco distante, uma sirene de alarme.
 
Kikas, o líder eleito dos Gatos, não passava de um adolescente, como tantos outros. Completaria dezoito anos no mês seguinte, era ainda menor. Continuava a residir com a mãe viúva e uma tia, mesmo depois de ter abandonado a escola e começado a fazer uns biscates, principalmente nas obras. Os Gatos eram um grupo de amigos, nem santos nem vândalos, à procura de uma identidade; saíam juntos, bebiam juntos, frequentavam o salão de máquinas da avenida Tody e, de vez em quando, lá se envolviam em brigas com os ciganos. O motivo era sempre o mesmo – a ideia de que o jardim da avenida não era suficientemente grande para todos, e como tal... vá de trocar uns sopapos de vez em quando, para manter a chama da rivalidade bem acesa.
É claro que às vezes havia excessos. O próprio Kikas já fora parar aquele mesmo hospital, com o gargalo de uma garrafa espetado numa perna.
Mas naquele momento, Kikas tinha outros pensamentos.
Sentado na beira da cama, olhava fixamente para o guarda Tulipa, com o rosto semi-encoberto por uma máscara de oxigénio, fios e eléctrodos a entrar e sair da roupa, ligados a mostradores coloridos, com muitos “beeps” e luzes de aviso.
O guarda Tulipa sempre gostara dele.
O tempo voou e as memórias voltaram a correr-lhe diante dos olhos. Já haviam passado três ou quatro anos... mas é como se tivesse sido no dia anterior. Uma briga, mais uma, dessa vez contra outro grupo da Belavista e um canivete a voar de encontro  ao estômago, com insensatez e despropósito.
Tivera sorte.
O guarda Tulipa interpôs-se na trajectória e o metal rasgou-lhe as calças, arranhou-lhe a perna, salvando o Kikas de problemas bem maiores.
Nunca mais esquecera aquele episódio.
Olhou em seu redor. O resto do grupo continuava de vigia à porta. Puxou lentamente do boné vermelho e preto, perfurado por várias argolas metálicas – o seu estandarte de líder – e cuidadosamente, colocou-o sobre a cabeça do guarda Tulipa.
O aspecto final resultou caricato, aquela cabeça enorme, a máscara de oxigénio, o pequeno boné mal assente. Mas não importava.
 
- Kikas, vamos embora. A segurança vem aí... – gritou alguém do grupo
Voltou a olhar para a figura enorme do guarda Tulipa, imóvel e inconsciente. Era estranho como, de repente, alguém podia ficar assim tão vulnerável, tão indefeso...como se não passasse de uma criança.
- Kikas... vamos – voltou o outro a gritar, aflito.
- Vamos sim... – e virando-se para o interior do quarto, como se pudesse ser ouvido - ... aguenta-te Tulipa... aguenta-te...
 

Nota: Conheço um guarda assim. Não se chama Tulipa, a situação não se passou na Belavista, e felizmente, ele ainda está vivo e de boa saúde. Provavelmente, vocês também conhecem alguém assim, como o Tulipa...

 

publicado por entremares às 11:57
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Regina d'Ávila a 15 de Maio de 2009 às 21:06
E a Tertúlia Virtual???
Anda..corre..escreve..brinque um pouco..
Bjssssss
Regina.
De Eduardo a 16 de Maio de 2009 às 11:20
A Regina tem razão! Ainda tem lugar na ilha!

Comentar post

.mais sobre mim

.BlogGincana


.Fevereiro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. O unicórnio branco

. Nascer de novo

. Noites de lua nova

. Perguntas e Respostas

. Roby, o rei leão

. Onde mora o paraíso?

. Sinais

. Um novo destino

. O profeta

. Ele e Ela

. As doze badaladas

. O salto da alma nua

. O rei morreu... Viva o re...

. Blog Gincana - Novembro

. A dúvida humana

.

. João e o Mestre

. Aniversário

. E depois do adeus

. A pimenta do amor

. O que fazer?

. Sem título

. A mulher invisível

. A escolha dos anjos

. Os amantes

. A Dama do Outono

. Um pedido

. Simplesmente Eugénio

. Carmen Miranda

. A decisão

.arquivos

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

.Os ouvintes das histórias

online

.links

.as minhas fotos

.Nº de Navegadores

Get a free html hit counter here.

.Google

.Quem navega...

Locations of visitors to this page

.Gazeta dos Blogueiros

Gazeta dos Blogueiros
blogs SAPO

.subscrever feeds