Domingo, 25 de Janeiro de 2009

A árvore dos desejos

 

 
Chiuko vivia no fundo do vale.
Nunca de lá saira e as montanhas cobertas de neve que o rodeavam eram o horizonte mais longínquo que jamais contemplara. O vale era o seu mundo, e nos seus quase sete anos de vida – ainda tão curta – o vale fora a sua casa, a sua familia, o seu retiro, a sua aventura, a sua escola de tudo quanto aprendera até à data.
O seu mestre, o monje encarregado do templo, zelava pela ocupação dos seus dias.
Acordava com a manhã, tocava os sinos do templo, substituia todas as flores dos vasos de oferendas dos peregrinos e em seguida isolava-se no seu canto, para as orações da manhã.
Dois toques do batente da porta da biblioteca tinham um significado especial para Chiuko; era tempo de estudar.
Mas aquele dia era especial, e por ser especial, a rotina iria ser quebrada; portanto, Chiuko não teria que ler nenhum capitulo do Livro das Tradições, não teria que repetir a sequência dos Mantras da Sabedoria, nem tão pouco exercitar os cálculos com o ábaco de madeira, que ele tanto apreciava.
Aquele dia era a véspera do grande dia.
O dia em que Chiuko poderia comer o fruto da árvore dos desejos.
O dia que marcava, para todas as crianças do vale, o fim da primeira infância e a entrada, como aprendiz de monje, no templo da aldeia.
Mas Chiuko era especial, e toda a aldeia dependia do que ele iria fazer, no dia seguinte, quando subisse ao alto do monte e se chegasse à árvore dos desejos.
A árvore, outrora tão frondosa, dava sinais de envelhecimento, e nada parecia conseguir rejuvenescê-la de novo. Durante anos, todos os frutos colhidos pelas outras crianças, quando atingiam a idade de sete anos, haviam-se revelado estéreis, e as sementes que as crianças semeavam, no final da cerimónia, secavam rapidamente.
Há muito tempo que não germinava outra árvore dos desejos, o que fazia da cerimónia do dia seguinte um acontecimento irrepetível.
Chiuko iria colher o último fruto da árvore dos desejos.
 
Ao deitar-se, ficou atento aos ruidos da noite. Gradualmente, a aldeia mergulhou no silêncio, as luzes apagaram-se e a névoa esbranquiçada do luar fez-lhe companhia, jorrando pela janela e envolvendo-o no mais profundo dos sonhos.
Viu-se junto à árvore, a colher o fruto arroxeado e, hesitante, a repetir as palavras cerimoniais, que antes dele, todos repetiam naquela ocasião. Viu-se a fechar os olhos, a formular o seu desejo, a morder o fruto, a pegar na única semente e a enterrá-la na terra escura. Viu uma semente a germinar, folhas a brotar e a erguer-se em direcção ao céu. Viu-se agarrado ao pescoço de um dragão, a sobrevoar o vale, a espreitar por cima das montanhas e a descobrir, lá do alto, outras aldeias, em tamanho minúsculo, espalhadas ao acaso por entre as florestas e os lagos gelados.
Quando finalmente adormeceu, já a lua desaparecera do quarto e as sombras eram agora rainhas da noite.
 
O monje do templo e seu tutor dera-lhe os últimos conselhos.
- Chiuko... Não tenhas pressa... sabes que não precisas de ter pressa, não sabes ?
Ele assentiu com um leve movimento.
- Sabes, Chiuko... – continuou – isto é uma coisa que tu tens que fazer sózinho... subires o monte, colher o fruto, repetir as palavras que eu te ensinei, dizer à árvore qual é o teu desejo ... e só depois comes o fruto. Lembras-te ?
Ele concordou de novo, abanando a cabeça.
- Não te esqueças de enterrar bem a semente... será a última semente da árvore...
Chiuko afastou-se, em direcção ao caminho irregular que levava ao cimo do monte. O monje ficou a contempla-lo, imerso nos seus pensamentos.
Durante toda a sua vida, não houvera um único desejo formulado por cada criança junto da árvore que não se tivesse realizado. Todas elas se tinham transformado em homens e mulheres importantes, acumulado riquezas, e a aldeia tinha prosperado com todas as coisas resultantes dos pedidos à árvore dos desejos.
Nunca tentara influenciar Chiuko nas escolhas do que poderia ser o ser desejo; muitos anos atrás, ele próprio desejara junto à árvore poder construir um templo na sua aldeia e o seu desejo cumprira-se.
E ali estava ele, muito anos volvidos, a rever-se a subir o caminho ingreme até ao alto do monte, onde a mesma árvore esperava, imóvel e serena.
Sentou-se, e esperou.
 
O sol já começava a descer sobre o horizonte, quando Chiuko alcançou os limites da aldeia.
O monje foi ter com ele e estendeu-lhe a mão.
- Foi especial, não foi ? – perguntou-lhe
Chiuko fechou os olhos por um momento, concordando.
- Sabes... ontem tive um sonho... e hoje foi como se estivesse outra vez a sonhar...
- Acredito que sim, Chiuko, acredito. E acredito que também tenhas pedido um bom desejo para ti...
Ele abanou negativamente a cabeça.
- Mestre ... e Chiuko pressentia que o velho monje se iria rir dele - ... a árvore falou comigo.
O velho monje escutou serenamente. Sentou-se de novo.
- E o que te disse a árvore, Chiuko ?
- Disse-me ... não foi bem dizer... pediu-me que tratasse bem do filho dela, que não tinha mais nenhum...
- A árvore disse-te isso ? – o monje desviou o olhar para o cimo do monte – e tu, o que fizeste ?
Chiuko juntou as mãos, como se estivesse a repetir os gestos utilizados enquanto falara com a árvore.
- Fiz o que ela me pediu ... e desejei que aquela semente se transformasse numa árvore, numa árvore dos desejos enorme, e que essa árvore pudesse dar muitos frutos...foi isso que pedi...
O monje continuava de olhos postos no cimo do monte, como se conseguisse ver a árvore, quase como se a conseguisse tocar com o olhar. Nunca contara a ninguém com medo que se rissem dele, nunca contara a ninguém que a árvore também tentara falar com ele, que também lhe pedira piedade para os seus frutos, que os tratasse bem, que se sentia cada vez mais sózinha, perdendo todos os seus frutos um a um.
Com a ponta dos panos com que se cobria, limpou uma lágrima rebelde.
- Fizeste bem, Chiuko... fizeste bem... agora vamos voltar, está bem ? Está a fazer-se tarde...
tags:
publicado por entremares às 00:10
link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De Isabel Branco a 25 de Janeiro de 2009 às 16:37
Obrigada pela visita.
Bela parábola.

"A dor me ensinou que...
A vida simplesmente passa... Ou permanece, através dos frutos do amor semeado. E nós, viajantes do infinito, também passamos como cometas descomprometidos com o brilho-guia nas noites escuras da indiferença... Ou permanecemos, além do tempo e do espaço que ocupamos no universo, através da sensibilidade e do amor alentados pela humanidade.
O plantio é agora; a colheita, no futuro!
Amanhã... Depois... Não importa! O que realmente importa são as sementes que lançamos ao longo do caminho percorrido, pois um dia alguém as colherá.
Semear é preciso, mesmo que seja sob sol escaldante... " Maria Aparecida Giacomini Dóro

Um abraço.

De Andreia a 25 de Janeiro de 2009 às 22:29
"...que também lhe pedira piedade para os seus frutos, que os tratasse bem, que se sentia cada vez mais sozinha, perdendo todos os seus frutos um a um."
Fez-me lembrar do nosso caminho ao longo da vida. Por muito que protejamos as nossas amigos haveremos sempre de perder um por um ao longo dos tempos.

Gostei!
De zélia a 25 de Janeiro de 2009 às 22:49
____________________________________

Esse garoto sim, certamente está no caminho...

Que bela história!

Beijos de luz e o meu agradecimento pela gentil visita!

__________________________________________
De Sara Martins a 29 de Janeiro de 2009 às 20:27
Gostei especialmente deste história, é daquelas "que deixa um calorzinho cá dentro". :)

gosto muito deste teu caderninho de histórias, sabe sempre tão bem os instantes em que, ao ler estes teus post me deixo levar para o mundo da fantasia. Obrigado!

Agora, ao contrario do Chiuko, vou ser um bocadinho egoísta, ao dizer-te para continuares a escrever pq me faz bem ler estas tuas histórias ;)

Comentar post

.mais sobre mim

.BlogGincana


.Fevereiro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. O unicórnio branco

. Nascer de novo

. Noites de lua nova

. Perguntas e Respostas

. Roby, o rei leão

. Onde mora o paraíso?

. Sinais

. Um novo destino

. O profeta

. Ele e Ela

. As doze badaladas

. O salto da alma nua

. O rei morreu... Viva o re...

. Blog Gincana - Novembro

. A dúvida humana

.

. João e o Mestre

. Aniversário

. E depois do adeus

. A pimenta do amor

. O que fazer?

. Sem título

. A mulher invisível

. A escolha dos anjos

. Os amantes

. A Dama do Outono

. Um pedido

. Simplesmente Eugénio

. Carmen Miranda

. A decisão

.arquivos

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

.Os ouvintes das histórias

online

.links

.as minhas fotos

.Nº de Navegadores

Get a free html hit counter here.

.Google

.Quem navega...

Locations of visitors to this page

.Gazeta dos Blogueiros

Gazeta dos Blogueiros
blogs SAPO

.subscrever feeds