Sexta-feira, 17 de Abril de 2009

A volta ao mundo...

 

 

Uma última curva… só mais uma última curva da estrada…
 
Finalmente, chegara. O fim da viagem era, por si só, estranho. Depois de dois anos na estrada, calcorreando os cinco continentes, a simples aproximação à sua pequena aldeia natal tinha um sabor … nem sabia bem como o definir.
Ajeitou melhor a pesada mochila sobre as costas e preparou-se para percorrer os últimos metros que o separavam da velha tabuleta de granito “ Aldeia da Bemposta”.
Dia 18 de Abril de 2007, lembrava-se bem.
Bem cedo, acabara de encher a mochila – haveria sempre aquela meia dúzia de objectos de última hora que teimam em ficar esquecidos sobre a mesa, debaixo da cama, por baixo de uma peça de roupa – e, para uma viagem de dois anos, seria boa ideia levar só o essencial…
Depois, ainda sobrara tempo para um último café na pastelaria da dona Rosa, um piscar de olho cúmplice à simpática Rute, a moça do quiosque das revistas e finalmente… fazer-se à estrada.
O tempo passou. Primeiro a fronteira, depois Espanha, França, o contornar do mediterrâneo, o médio oriente, as arábias, o continente indiano. Os dias sucederam-se às noites, o pernoitar nas estalagens, nos abrigos de montanha, por vezes debaixo das pontes… - o frio era o maior obstáculo, aquele frio que descia das montanhas e enregelava os ossos, prendendo os passos e tornando cada nova etapa um pouco mais difícil que a anterior.
Optara, depois de muito hesitar, em não carregar consigo a máquina fotográfica. Cada pormenor, cada peripécia, cada sobressalto da sua jornada ficar-lhe-ia gravado na memória, e só aí. Não haveria álbum de recordações, filmes para a família, colecção de postais ou “souvenirs“ para os amigos. De todos os recantos que percorresse, a única recordação que pretendia transportar consigo seria… uma pequena pedra, um pouco de areia, uma concha… qualquer coisa que não fosse uma mera recordação do local, mas antes um pouco do próprio local em si.
É claro que recordava com saudade os três dias que passara em casa do velho Dimitrius, o pescador grego que lhe dera a provar a mais deliciosa das saladas, a corrida de camelos, quando apostara com o mercador Alihala que conseguiria dar duas voltas à praça de Jizan, na Arábia Saudita, sem cair; É claro que perdera a aposta, o que lhe tinha servido de lição para perceber que montar um camelo, em plena corrida… não era tão fácil como ele suposera.
E os macacos do templo Rameshwaram, em Kerala ? A sua passagem pela Índia deixara-lhe gratas recordações, à excepção talvez do seu boné de estimação, roubado pelos macacos. Não o voltara a ver. Mas ainda agora, mais de um ano volvido, conseguia sentir no ar aqueles aromas fortes das especiarias, o colorido dos saris nas ruas, o som hipnótico das flautas dos encantadores de serpentes, o bulício dos mercados locais…
Viajar… mesmo a pé, como ele, pelo asfalto, pelos trilhos secundários, subindo e descendo morros e vales… tinha uma vantagem; sobrava-lhe tempo para pensar.
Um guru, algures no Bangladesh, perguntara-lhe curioso: - O que andas à procura ?
Ele respondera-lhe com um sorriso – que não sabia, mas que certamente perceberia, quando descobrisse a resposta.
O guru abençoou-lhe a viagem e ele fizera-se de novo à estrada, mochila às costas, as botas já gastas de muitas pedras e riachos.
O que procurava ?
Porquê aquela travessia insensata e solitária ?
O que poderia uma volta ao mundo provar ?
 

----- E agora ? Qual dos leitores deste blog quer pegar neste pedaço de história e terminá-la ?

 

Vá lá...

 

publicado por entremares às 16:26
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Óscarito a 17 de Abril de 2009 às 18:19
Olá, amigo.
Já percebi que regressou e por isso um abraço de bom regresso.
Porque não tenho tido tempo disponível, não o tenho visitado.
Folgo saber que regressou bem e com saúde. Acredito!
Mas para continuar a saga que propõe, lamento mas não é a "minha praia", ainda que gostasse de lhe dar o meu contributo.
Gosto muito de ler o que outros escrevem. Talvez uma das razões para isso seja reconhecer a minha total incapacidade para fazer o mesmo! E também por isso admiro que o faz.
Um abraço!

Comentar post

.mais sobre mim

.BlogGincana


.Fevereiro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. O unicórnio branco

. Nascer de novo

. Noites de lua nova

. Perguntas e Respostas

. Roby, o rei leão

. Onde mora o paraíso?

. Sinais

. Um novo destino

. O profeta

. Ele e Ela

. As doze badaladas

. O salto da alma nua

. O rei morreu... Viva o re...

. Blog Gincana - Novembro

. A dúvida humana

.

. João e o Mestre

. Aniversário

. E depois do adeus

. A pimenta do amor

. O que fazer?

. Sem título

. A mulher invisível

. A escolha dos anjos

. Os amantes

. A Dama do Outono

. Um pedido

. Simplesmente Eugénio

. Carmen Miranda

. A decisão

.arquivos

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

.Os ouvintes das histórias

online

.links

.as minhas fotos

.Nº de Navegadores

Get a free html hit counter here.

.Google

.Quem navega...

Locations of visitors to this page

.Gazeta dos Blogueiros

Gazeta dos Blogueiros
blogs SAPO

.subscrever feeds