Quarta-feira, 17 de Fevereiro de 2010

O unicórnio branco

O novo endereço do ENTREMARES é:

 www.entremares-entremares.blogspot.com

 

 

 

 

 

- Conta, conta…
- Filhota… o pai hoje está cansado…
- Mas é só uma pai… por favor…
- Oh filhota…
- Por favor…
- …
- Aquela do unicórnio?
- Outra vez? Mas eu já te contei essa história… mil vezes…
- Mas é essa que eu quero… conta…
O pai sentou-se na beira da cama, ajeitando-lhe o travesseiro sob os ombros. Ela, de olhos a brilhar, esperava impaciente. Aquele delicioso hábito de uma história contada para adormecer… já vinha de longe, dos tempos em que ela, ainda gatinhando, lhe trepava pelas pernas acima, sempre curiosa, para descobrir o que ele tanto escrevia.
- Quero ver… também quero ver…
E o pai lá virava o ecran do computador para ela.
- Mas não tem bonecos… é só letras… eu quero bonecos…
Nesses tempos, ela ainda não sabia ler.
- Pronto, está bem… eu conto… mas olha… da próxima vez contas tu, que já deves conhecer a história melhor que eu, pode ser?
Ela fez que sim com um piscar de olhos.
- Muito bem… então era uma vez… um lindo unicórnio branco…
Ninguém sabia o seu nome, nem de onde surgira. Na floresta das esmeraldas, a mais antiga das florestas conhecidas, o unicórnio branco surgia sem aviso, envolto numa névoa, quase sempre pela manhã, junto do lago onde os cavalos selvagens se juntavam para beber. Aparecia e desaparecia, como se quisesse ver simplesmente aquelas outras criaturas selvagens e livres, em quase tudo semelhantes à sua própria imagem.
Sim, quase tudo… à excepção daquela protuberância luminosa que exibia na testa, o córneo mágico que o distinguia de todos os outros animais da floresta.
E onde residia a magia?
Rezavam as lendas que o unicórnio tinha o poder de formular um desejo, fosse ele qual fosse – por mais difícil ou impossível que aparentasse ser – que esse mesmo desejo se realizaria, na próxima noite de lua cheia.
Lendas, certamente.
Durante muitas luas, o unicórnio branco foi visto junto do lago, próximo dos outros cavalos selvagens, num diálogo misterioso feito de relinchares fogosos e de patas a arranhar o musgo das pedras.
E então… quando anoiteceu e uma lua cheia esplendorosa subiu devagarinho no céu… algo aconteceu.
Junto ao lago, um animal solitário bebia tranquilamente. De vez em quando, levantava o pescoço, a crina esvoaçante, farejando o ar da noite, como se esperasse algo.
E foi então que, do outro extremo das águas, surgiu o unicórnio branco.
Aproximou-se bem devagar, hesitante, contornando o lago.
O outro animal não aparentou surpresa alguma, como se já esperasse a sua chegada. Lançou-lhe um olhar de soslaio e deixou-se ficar, num gesto estudado de falsa indiferença.
O unicórnio branco aproximou-se, aproximou-se…
Finalmente, roçou-lhe o focinho no pescoço, tentando chamar-lhe a atenção.
A égua negra, de pelo lustroso, devolveu-lhe a meiguice, abanando o pescoço e permitindo que ele lhe mordiscasse as crinas em desalinho.
Algo naquele quadro nocturno fazia lembrar um encontro à luz da lua.
À excepção talvez daquele pormenor estranho… o belo unicórnio branco perdera o seu símbolo, aquele córneo mágico que os humanos tanto perseguiam.
Se os animais falassem… talvez que ele pudesse explicar que fora esse afinal o seu desejo… o perder o seu símbolo mágico, de livre e espontânea vontade… simplesmente para que ela se sentisse mais semelhante, mais igual a ele… simplesmente mais um animal selvagem, galopando livre pela floresta.
Mas os animais não falam.
E foi assim que numa certa noite de lua cheia, um unicórnio branco se transformou num simples alazão, quem sabe… talvez por amor.
O pai levantou-se em silêncio.
Olhou para a filha, já adormecida, um sorriso ao canto dos lábios.
Finalmente, desligou a luz do candeeiro e saiu, deixando-a simplesmente a sonhar.

 
Nota: Para a minha filhota Iris, e para todos os filhotes a quem vocês contam histórias à noite, para adormecer.

 

publicado por entremares às 19:38
link do post | comentar | ver comentários (11) | favorito
|
Segunda-feira, 8 de Fevereiro de 2010

Nascer de novo

 O novo endereço do ENTREMARES é:

http://entremares-entremares.blogspot.com/

 

 

 

Como dizia o poeta
Quem já passou por essa vida e não viveu
Pode ser mais, mas sabe menos do que eu
Porque a vida só se dá pra quem se deu
Pra quem amou, pra quem chorou, pra quem sofreu
Ah, quem nunca curtiu uma paixão nunca vai ter nada, não
Não há mal pior do que a descrença
Mesmo o amor que não compensa é melhor que a solidão
Abre os teus braços, meu irmão, deixa cair
Pra que somar se a gente pode dividir
Eu francamente já não quero nem saber
De quem não vai porque tem medo de sofrer
Ai de quem não rasga o coração, esse não vai ter perdão
Quem nunca curtiu uma paixão, nunca vai ter nada, não

 

( Vinicius de Moraes )

 

Nascer de novo

 

 

Lá fora, a noite teimava em não deixar entrar a aurora.

Só o luar, aquele luar de janeiro, cobria a paisagem de branco.

 

Levantou-se do leito, nu.

Indiferente à brisa gelada, abriu as janelas e deixou-se banhar por aquela luz inebriante

Algo de diferente lhe acontecera.

Pela primeira vez em muito tempo conseguira adormecer... sem sonhos, sem pesadelos, sem memórias, adormecer simplesmente.

Observou-se por momentos, a pele esbranquiçada reflectindo a luz leitosa da lua. As marcas, as mágoas, as tristezas... haviam desaparecido, a pele rejuvenescia como que alimentada por um bálsamo milagroso.

Duvidou de si mesmo – Estarei morto? – mas não... não havia engano possível, continuava vivo, sentia-se a respirar, o coração batia, conseguia mover a ponta dos dedos.

Abriu e fechou os olhos, e a paisagem do jardim banhado pelo luar não se alterou.

- Estou vivo – repetiu - ... estou mesmo vivo...

 

Com um gesto lento, levou as mãos ao pescoço. Soltou o finíssimo fio de prata que sempre carregara consigo e deixou-o deslizar por entre os dedos.

Aquelas eram as suas memórias, as memórias do coração.

O que seria a vida, sem paixão? Nada, absolutamente nada.

Talvez por isso... tivesse sofrido tanto.

Mas a vida continuava, tinha que continuar.

 

Um arrepio de frio varreu-lhe o rosto, fustigando-lhe os cabelos.

“ Pior do que a solidão, só a descrença,

porque a vida só se dá para quem se deu.” – assim dizia o poeta.

 

Abriu a mão e o fio de prata escorregou-lhe pelos dedos, caindo abafado sobre o tapete branco.

 

Pela primeira vez desde há muito tempo, sentiu-se verdadeiramente nu.

Nu.

Completamente nu.

 

- Será como nascer outra vez? – perguntou a si próprio, continuando a observar a lua.

 

 

 

publicado por entremares às 10:22
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.BlogGincana


.Fevereiro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. O unicórnio branco

. Nascer de novo

. Noites de lua nova

. Perguntas e Respostas

. Roby, o rei leão

. Onde mora o paraíso?

. Sinais

. Um novo destino

. O profeta

. Ele e Ela

. As doze badaladas

. O salto da alma nua

. O rei morreu... Viva o re...

. Blog Gincana - Novembro

. A dúvida humana

.

. João e o Mestre

. Aniversário

. E depois do adeus

. A pimenta do amor

. O que fazer?

. Sem título

. A mulher invisível

. A escolha dos anjos

. Os amantes

. A Dama do Outono

. Um pedido

. Simplesmente Eugénio

. Carmen Miranda

. A decisão

.arquivos

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

.Os ouvintes das histórias

online

.links

.as minhas fotos

.Nº de Navegadores

Get a free html hit counter here.

.Google

.Quem navega...

Locations of visitors to this page

.Gazeta dos Blogueiros

Gazeta dos Blogueiros
blogs SAPO

.subscrever feeds