Sábado, 7 de Março de 2009

A tecla proibida

 

 

No principio dos tempos, o Criador entregou aos Homens a sua obra-prima. Um teclado branco, de formas arredondadas, suave ao toque, silencioso e tão leve que mal se sentia na ponta dos dedos.
Os homens adoraram – as mulheres também; os homens acharam-no sensual, ergonómico, atraente... as mulheres prático, tremendamente estético e de uma cor que ficava bem com tudo.
E o Criador disse-lhes então:
- A partir de agora, podeis utilizar este teclado para todas as vossas necessidades, sempre que utilizarem o Messenger, o Skype e todas essas coisas tecnológicas em que agora ocupam o tempo... mas existe uma condição. Podem utilizar todas as teclas... à excepção da tecla azul...
Os Homens intrigaram-se com tão estranha exigência, mas de imediato acataram as ordens do Criador.
Quando experimentaram o teclado, logo se renderam ao maravilhoso objecto; que facilidade de escrita, que suavidade de teclas, que macieza de toque... uma autêntica maravilha – sim, aquela seria sem dúvida, a obra-prima do Criador...
E aquela misteriosa tecla azul... para que serviria? As instruções não eram muito claras, mas aquele “ANY KEY “, segundo o manual, permitiria que bastando manter a tecla pressionada, o teclado digitasse automaticamente todo o texto pretendido, como se ele “soubesse” por antecipação o que o utilizador pretenderia escrever... que coisa mais estranha, sem dúvida.
 
Os tempos decorriam felizes, no jardim dos Homens.
Dispersos, isolados ou em pequenos grupos, homens e mulheres sentados à sombra das árvores digitavam interminavelmente longas conversas, agora que a fala entre humanos se encontrava praticamente extinta e todos se comunicavam entre si através de mensagens e textos electrónicos...
O Criador observou a sua obra... e gostou do resultado.
 
- Não, já te disse que não... não insistas.
- Mas, Adão... tu próprio me disseste que estavas curioso... – e Eva encostou-se um pouquinho mais – vá lá, vamos só experimentar...
- Eva ! Não, não ... e não. Sabes muito bem que estamos proibidos de tocar ali... e aliás, nem nos faz falta...não te são suficientes todas as outras teclas ?
E Adão afastou-se, na mesma proporção em que Eva se aproximara.
- Eu sei.. mas eu morro de curiosidade... a sério... e olha, ao menos seríamos os primeiros a tentar, não é ? Já imaginaste ? Ficaríamos famosos...
- ... mas eu não preciso de ser famoso, Eva, a sério que não preciso... já levamos aqui uma excelente vida, nem temos que trabalhar... para que queres tu agora arranjar complicações ? Não te chega aquilo que já tens ?
Eva enroscou-se lânguida, as pernas a envolvê-lo num abraço macio.
- Oh, Adão... não sejas assim... se fosses tu a pedir-me qualquer coisa...
Adão ainda tentou resistir. Pelo menos, um pouco mais.
- Eva... vá lá, por favor...
Ela aumentou um pouco mais a pressão das pernas, ficando a observá-lo, enquanto Adão ia mudando progressivamente de cor.
- Adão...
- E se somos descobertos ? – foi o melhor argumento que encontrou – fazes ideia dos problemas que poderemos arranjar, se formos descobertos?
- Oh, Adão... e como seremos descobertos ? – e apontou para o jardim, para as dezenas de homens e mulheres sentados, a teclar tranquilamente nos respectivos teclados brancos- já reparaste na quantidade de teclados que aqui existem ? Como é que Ele – e olhou timidamente para o alto – como é que ele descobriria que fomos nós ? Vá lá...
- Não estou lá muito convencido...
Eva passou-lhe a mão sobre os lábios, emudecendo-lhe os argumentos.
- Eu faço tudo o que me pedires... mesmo tudo...
Adão estremeceu, da ponta dos cabelos à ponta dos pés. Um nervoso miudinho, eléctrico, que lhe provocava visões – agradáveis visões - e ao mesmo tempo uma irritante comichão na ponta dos dedos.
- ... tudo... ? Como assim ? Mesmo ... tudo ?
Ela acenou docemente com a cabeça, concordando com o melhor dos sorrisos.
Pronto, estava decidido.
 
Muito a medo, colocou o teclado sobre os joelhos. Eva enroscou-se ainda mais, não querendo perder o mínimo dos pormenores.
Olhou em redor. Estaria alguém a reparar neles ? Alguém a observar ?
Não... aparentemente, todos continuavam entregues aos seus próprios diálogos, mensagens, entregues aos seus teclados, espalhados um pouco ao acaso sobre aquela extensão de relva paradisíaca, a perder de vista.
 
Os dedos pesavam-lhe como chumbo, quando se aproximou da fatídica tecla azul.
Deteve-se por um momento, um fugaz momento em que ainda tentou resistir à tentação... mas o abraço quente de Eva toldava-lhe o raciocínio, e ... que mais poderia fazer ? Se ela lhe pedisse a Lua, ele não correria até ao final do mundo, para a encontrar e lha trazer ?
E afinal... ela só lhe pedira uma tecla... uma inocente e minúscula tecla azul...
Fechou os olhos e carregou.
 
Um ribombar violento interrompeu o pacífico silêncio do jardim. Uma série de trovões ecoaram sobre o jardim, enquanto que grossas pingas de água, surgidas do nada, jorraram sobre Adão e Eva, para espanto de todos os que ali estavam próximos.
 
Uma voz profunda, que todos conheciam muito bem, ecoou pelo jardim.
- Quem carregou a tecla proibida ?
 
Entreolharam-se todos, atónitos, sem saber muito bem o que fazer. Adão levantou-se, tremendo.
- Perdoa-me, ó Criador... fui eu que carreguei a tecla azul... mas foi sem querer...
Um raio de luz desceu das alturas e iluminou Adão de um branco fluorescente, visível de todos os recantos do jardim, ao mesmo tempo que um trovejar, ainda mais forte, fez estremecer as árvores.
- Sem querer ? ... Eu sei tudo... eu sei sempre tudo... e sei que essa mulher que aí está ao teu lado é tão culpada como tu... porque um convenceu o outro a desobedecer às minhas ordens...
Adão baixou a cabeça, derrotado, enquanto Eva tapava a face com as mãos, envergonhada.
- Não há desculpa para as vossas acções – continuou o Criador – e ireis ser severamente punidos por esta desobediência... a partir de agora... estais destinados a escrever sem cessar nos vossos teclados, todos os dias, todas as letras, todas as teclas... e a usar mais um instrumento de apoio, que chamarei de rato, sempre que quiserem comunicar entre vós... – e virando-se para Eva, continuou – e a ti, Eva... que espicaçaste o teu parceiro, iludindo-o com a vã curiosidade das coisas fúteis, determino que passes a ter, para todo o sempre, profissões que te obriguem a escrever, horas e horas a fio, com um teclado... serás secretaria, serás estenógrafa, serás tradutora... mas lembrar-te-às sempre que foste tu que convenceste o Adão a carregar na tecla proibida...
 
Adão caiu de joelhos, chorando convulsivamente.
Eva agarrou-se-lhe aos ombros, a face escondida por entre os cabelos, soluçando. O teclado, caído sobre a relva, emitia um sonoro zumbido, enquanto uma pequena mensagem de erro piscava no ecran luminoso.
 
... Erro... Erro... esta tecla não tem nenhuma função definida... Erro... Erro ... esta tecla não ten nenhuma ...

 

publicado por entremares às 16:16
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.BlogGincana


.Fevereiro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. O unicórnio branco

. Nascer de novo

. Noites de lua nova

. Perguntas e Respostas

. Roby, o rei leão

. Onde mora o paraíso?

. Sinais

. Um novo destino

. O profeta

. Ele e Ela

. As doze badaladas

. O salto da alma nua

. O rei morreu... Viva o re...

. Blog Gincana - Novembro

. A dúvida humana

.

. João e o Mestre

. Aniversário

. E depois do adeus

. A pimenta do amor

. O que fazer?

. Sem título

. A mulher invisível

. A escolha dos anjos

. Os amantes

. A Dama do Outono

. Um pedido

. Simplesmente Eugénio

. Carmen Miranda

. A decisão

.arquivos

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

.Os ouvintes das histórias

online

.links

.as minhas fotos

.Nº de Navegadores

Get a free html hit counter here.

.Google

.Quem navega...

Locations of visitors to this page

.Gazeta dos Blogueiros

Gazeta dos Blogueiros
blogs SAPO

.subscrever feeds